Terça-feira, 31 de Março de 2009

 

 

Ela estava destinada ao estrelato.

Ele decidiu abrir-lhe todas as portas.

O amor entre ambos tinha a força da mudança.



publicado por Rita Mello às 11:11 | link do entrada | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Segunda-feira, 30 de Março de 2009



publicado por Rita Mello às 16:43 | link do entrada | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Março de 2009

 

Cátia Pinto:

Amor agridoce... o equilíbrio entre o doce momento passado ao teu lado e o amargo sabor da tua ausência.


Lisete Ferreira:

O agridoce da vida é tão simples de explicar...

é o amargo em cada despedida

é o amor em cada olhar...


Rafaela Castro:

Meio doce... meio amargo...

é assim o amor

e deste jeito agridoce

vou ficando viciada

não sei se na alegria que me trouxe

Ou se no desespero e na dor!


Carlos Antunes:

Não, ninguém me contou, que o teu amor é agridoce, provei-o dos teus lábios quando os nossos corpos dançavam sozinhos por entre a multidão.

Não, ninguém me contou, que o teu amor é agridoce, senti-o nas tuas palavras quando os nossos olhos se separam de vez em lágrimas.

 

Luís Figueiredo:

Amor que não é agridoce, é somente um acabou-se

 



publicado por Rita Mello às 16:14 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Março de 2009

 

A última vez que vi o meu pai foi em Paris, em 2002, num dia gelado de Dezembro, algumas semanas antes de morrer. Era onde o encontrava mais vezes, já que estava proibido de entrar no Reino Unido desde a minha adolescência; o seu cadastro impedia-o de pedir um visto. Por esta altura, ele também já tinha arranjado maneira de ser impedido de entrar nos Estados Unidos; já não via a mulher há meses – ela estava a tomar conta da mãe, que sofria de uma doença terminal, e não podia viajar, mas ele também não se mostrava preocupado com isso. Já ia na casa dos setenta, e o seu estilo de vida caótico repercutira-se na sua diabetes e no seu triplamente atacado coração e já sujeito a um by-pass, mas tinha até agora recusado se submeter-se a tratamentos médicos no Paquistão, onde os seus irmãos mais novos podiam tomar conta dele. Apesar de tudo, ele não podia jogar no Paquistão com a liberdade com que o fazia em França.

 

Eu tinha ido a um dos subúrbios cinzentos de Paris para uma reunião (na altura, trabalhava em publicidade), e sabendo que o meu pai estava em convalescença e a jogar em Deauville depois de mais um ataque cardíaco, consegui marcar um encontro com ele na estação de comboios. Ele disse-me ao telefone que tinha finalmente decidido regressar ao Paquistão para ser tratado, e eu sugeri-lhe que nos encontrássemos e partilhássemos um táxi até ao aeroporto. Ele estava terrivelmente magro e fraco, mas ainda cheio de entusiasmo, enumerando alegremente os nomes de pessoas mais jovens e saudáveis que ele conhecia e a quem ele já sobrevivera. “Toda a gente diz que estou a morrer, mas eu ainda não estou morto!”, exclamava exuberantemente.

 



publicado por Rita Mello às 17:11 | link do entrada | comentar | favorito
|

 

Os resultados do passatempo Agridoce vão ser anunciados amanhã. Boa sorte a todos os participantes.



publicado por Rita Mello às 17:09 | link do entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 23 de Março de 2009

O pai de Roopa Farooki, autora de Agridoce, foi um mentiroso compulsivo e foi condenado diversas vezes por crimes de colarinho-branco, mas, ao menos, não era uma pessoa aborrecida. Em baixo, deixo-vos com a primeira parte de um artigo de Roopa Farooki publicado no The Guardian, em que a autora revela como foi crescer com um pai digno de uma personagem de um romance.

 

“Então, Roopa, o que a inspirou?” Era uma pergunta bastante óbvio e, por isso, eu devia estar preparada para ela. Estava sentada num gabinete abafado naquela que seria em dentro em breve a minha editora. Tinha deixado o meu bebé com três semanas com o pai e uma garrafa com leite materno, e como a King’s Cross estava fechada, fora obrigada a vir a pé desde Euston no pico do sol. À chegada, tive de ouvir com espanto uma sala cheia de pessoas que trabalham em edição a dizer o quanto adoraram o meu primeiro romance, que é sobre três gerações de uma família de Bengali cujas relações são definidas e comprometidas pela mentira. E depois chegou a pergunta óbvia. Eu sabia a resposta e, apesar de querer vontade de mentir, estava demasiado aturdida para inventar algo de convincente em tão curto espaço de tempo. Por isso, disse a verdade.

 

 

Expliquei que o meu interesse pessoal no impacto dos enganos nas famílias – todos aqueles factos incómodos que são varridos para debaixo do tapete e ignorados em nome do bem comum, todas aquelas mentiras imaginativas que usamos para a nossa comodidade e para esconder coisas – se devia ao meu pai, um charmoso e incurável vigarista que achava que dizer a verdade era aborrecido, uma vez que era pouco imaginativo. O facto de outras pessoas dizerem a verdade levou-o à prisão em mais do que uma ocasião e em mais do que um país. Ele continuou a fazer isso quando já era um sessentão com idade para ter juízo. A última que me lembro dele foi quando vendeu a alguém um barco em Paris – o que não é nenhum crime, só que o barco não era dele.

 

 

 



publicado por Rita Mello às 17:39 | link do entrada | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 19 de Março de 2009

 

Evening Is the Whole Day, de Preeta Samarasan, foi nomeado para o Orange Prize for Fiction 2009, anunciou na quarta-feira fonte do galardão.

 

Passada na Malásia pós-colonial, Evening Is the Whole Day é uma saga familiar sobre segredos e crimes, esperança e sonhos, num país onde as comunidades malaias, chinesas e indianas lutam pelos seus lugares na sociedade.

 

Segundo o The Observer, “Preeta Samarasan retrata de forma magnífica os conflitos que dilaceram um país e uma família, num romance vibrante, descritivo e enriquecedor”.

 

Preeta Samarasan nasceu e cresceu na Malásia e estudou nos Estados Unidos. Vive actualmente em França. Evening Is the Whole Day é o seu primeiro romance e será publicado pela ASA. Podem visitar o site da autora em www.preetasamarasan.com.

 

O Orange Prize for Fiction, que vai na sua décima quarta edição, é o único prémio anual no Reino Unido que distingue a ficção escrita por uma mulher, celebrando a excelência, originalidade e acessibilidade na escrita feminina internacional.



publicado por Rita Mello às 14:12 | link do entrada | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 18 de Março de 2009

Escreva uma frase com as palavras amor e agridoce e habilite-se a ganhar um dos cinco exemplares de Agridoce que a ASA tem para lhe oferecer.

A frase terá de ser enviada até segunda-feira, dia 23 de Março, para joanneharris@sapo.pt



publicado por Rita Mello às 14:39 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 16 de Março de 2009

Obrigada à Paula, do blogue Viajar pela Leitura, e à Maggie, do blogue As Leituras da Maggie, por este selo.

 

    

 

 

Queria deixar também outra palavra de agradecimento à Paula, do blogue Viajar pela Leitura, por estes dois selos.


No entanto, vou contornar as regras e dedicar estes selos aos blogues e visitantes que me acompanham nesta aventura.


tags:

publicado por Rita Mello às 10:51 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Março de 2009

Lili é uma mulher de peso, voluptuosa e voraz, excessiva em tudo. Perdeu a virgindade na casa de banho de um avião, com um rapaz japonês. Ninush, a amiga, é uma neurótica magrinha, que só faz da vida do seu namorado Léon uma constante miséria. Lili vive com um oficial que vem sempre cansado da guerra. As duas amigas são iguais apenas na solidão e insatisfação das suas vidas. Mais tarde, Lili reencontra o tal japonês. Com surpresa, descobre que é um mutante, que lhe oferece um tigre bebé. Alona Kimhi, nascida em Lvov, Ucrânia, em 1966, autora de Susana em Lágrimas, o seu primeiro romance, best-seller mundial, acrescenta algo mais à interrogação do que é ser humano, num registo exuberante, quase surreal, cheio de humor feroz e observações delirantes. A vida dessa mulher é uma busca de como preencher o “vazio da expectativa”, numa vida em que “o tempo flui, o tempo fissura-se. Tempo oco, todo ele presente contínuo. Não há passado, nem futuro, esperança ou medo. A viagem que temos diante de nós é longa e não é certo que algum dia cheguemos ao nosso destino”. O tigre funciona como um sinal, uma poderosa presença, um desejo de libertação dos constrangimentos, mas também o núcleo mais vital de Lili, o único capaz de apontar o caminho do grande horizonte.



publicado por Rita Mello às 15:50 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quinta-feira, 12 de Março de 2009


publicado por Rita Mello às 15:08 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Este blogue está em destaque no Sapo. Obrigada ao Sapo e a todos os visitantes do Chocolate para a Alma.


tags:

publicado por Rita Mello às 11:43 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 10 de Março de 2009

Tendo sido persuadida pelo ginecologista a abandonar a dieta restritiva que impusera anteriormente a Parvez, preparara-lhe na noite anterior o prato preferido dele, koftas de borrego, desta vez apenas levemente esturricadas, e talvez com um pouco de alho a mais. Os cozinhados de Shona não tinham melhorado muito, embora Parvez nunca se queixasse e até a felicitasse pelos seus esforços na cozinha. Como resultado disso, ela tinha começado a pensar que os seus cozinhados eram agora aceitáveis e como bónus pôs-lhe duas das koftas menos queimadas ao lado dos ovos estrelados, com muito molho da frigideira para ensopar a torrada.


– Mmm, cheira bem, Goldie – mentiu Parvez, fitando com tristeza os seus ovos estrelados bastante aceitáveis, mas totalmente arruinados pela adição de
koftas queimadas e pedaços negros de carvão a boiar num molho gorduroso.


(Retirado de Agridoce)

 

 

Shona Kharim: As pessoas pensam que fazer ovos estrelados é fácil, mas não é. Os ovos mexidos é que são fáceis – fáceis de fazer, porque não é nada fácil raspar os restos da frigideira, sendo que a máquina de lavar parece que solda ainda mais os pedaços à frigideira. O truque dos ovos estrelados é não deitar muito óleo no início, porque o óleo pode saltar, nem deitar pouco óleo, se não os ovos ficam colados à frigideira. E o lume deve ser brando – se estiver muito forte a parte de baixo fica queimada antes que a parte de cima fique pronta. Uma tampa ajuda a cozinhá-los bem e o truque está em usar uma colher de chá para deitar um bocado de óleo por cima das gemas para não se esborracharem com tanta facilidade. Tive sempre muito orgulho dos meus ovos estrelados; são uma das poucas coisas que consigo fazer de forma aceitável.

 



publicado por Rita Mello às 15:55 | link do entrada | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Quinta-feira, 5 de Março de 2009

 

Agridoce é sobre o impacto que as mentiras podem ter nas relações familiares. Na sua opinião, uma mentira pode ser positiva?
Às vezes temos de mentir para sermos educados, e é por isso que existe apenas uma resposta aceitável para a pergunta: “O meu rabo parece grande nestas calças?”

 

Pensa que a mentira desempenha um papel preponderante nas culturas dos imigrantes do Paquistão e Bangladesh?
Penso que muitas famílias de imigrantes do Paquistão e do Bangladesh ainda lutam com uma disparidade entre os seus valores orientais e islâmicos e os da sociedade ocidental onde escolheram viver, na medida em que comportamentos tradicionalmente “inaceitáveis” como a homossexualidade, o namoro, a bebida e o jogo não são abertamente aceites pela primeira geração, forçando os membros mais jovens e mais ocidentalizados da família a mentirem. Dito isto, em Agridoce, os conflitos morais das personagens, que os conduzem à mentira, não são resultado de dilemas religiosos ou choques culturais, mas devem-se antes às suas próprias emoções muito pessoais e ambíguas.

 

As suas personagens são representativas das comunidades imigrantes do Paquistão e do Bangladesh?
Vivi em três zonas de Londres com uma grande proporção de imigrantes, Tooting, Bethnal Green e Southwark, e inspirei-me nas pessoas que conheci nesses locais, bem como na minha própria experiência. A confeitaria de Bhai Hassan e o bem-sucedido negócio de restauração de Parvez têm muitos equivalentes reais
em Tooting. No entanto, as minhas personagens são da classe média, não representando a maioria dos imigrantes. Foi recentemente noticiado, em Abril de 2007, que, no Reino Unido, cerca de dois terços dos imigrantes de Bengala ainda vive na pobreza.

 



publicado por Rita Mello às 09:00 | link do entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 3 de Março de 2009

Henna tinha treze anos quando foi jovialmente casada com o filho mais velho de uma das melhores famílias de Calcutá, e o seu casamento foi conseguido através de uma audaciosa teia de mentiras, tão elaboradas e impudentes quanto os adornos dourados do seu sari escarlate de noiva. Os familiares paternos de Henna eram vigaristas de profissão, comerciantes de Bengala que haviam construído a sua fortuna a vender secretamente pós e pastas de origem suspeita, para aliviar o enfado e fadiga dos expatriados britânicos que cumpriam o seu purgatório no governo local de uma Índia pré-independência. Esses dias gloriosos tinham desaparecido com os ingleses uma década antes, mas o pai de Henna continuava a ser uma daquelas pessoas que não perdia uma oportunidade de negócio – quando soube que a família Karim, uma família abastada, proprietária de terras, e de pele invulgarmente clara, ia estar de visita às suas herdades nos arredores de Daca, não perdeu tempo em efectuar um reconhecimento eficaz.

O seu modesto plano inicial havia sido fomentar uma aliança comercial, mas tornou-se mais ambicioso quando descobriu que podia deitar a mão a uma aliança mais lucrativa e permanente. Tomou conhecimento de que o filho deles, Rashid, que preferia ser chamado Ricky, estava em idade de casar, mas tinha uns gostos tão bizarros que a família, frustrada, ainda não conseguira encontrar-lhe uma noiva. Fora educado no estrangeiro e insistia que a sua esposa deveria ser alguém que ele pudesse «amar», uma rapariga educada e culta com os mesmos interesses que ele.

Leia mais aqui.



publicado por Rita Mello às 09:00 | link do entrada | comentar | favorito
|































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

Amigas e amigos
A Casa Torta
A Galáxia dos Livros
A Gémea que Faltava
Alojaeasverdades
A Magia dos Livros
A Menina dos Policiais
Ametista Cintilante
A Minha Vida em Mil Páginas
Amostras e Passatempos
Anjo, Estrelinhas e Manas
Ao Ler o Livro
A Opinião do Prazer
A Participar
A Partir dos 30
Artes e Devaneios
As Ameias do Crepúsculo
As Histórias de Elphaba
As Leituras da Fernanda
As Leituras da Maggie
As Leituras do Corvo
As Minhas Leituras
Avenida Surrealista
A Viajante
Bad Books Don’t Exist
BiblioMigalhas
Biblioteca CEF LIVROS com VIDA
Biblioteca do CEDV
BlogBrottas
Blogtailors
Bookeater/Booklover
BookManíacas
Books and Books
Books Around the Corner
By Juaniska
Café de Letras
Cantinho das Partilhas
Cartuchos Literários do Guerreiro
Castelo de Letras
Chá da Meia-Noite
Chá de Menta
Chá para Dois
Chovem Livros
Cinco Quartos de Laranja
Clorofórmio do Espírito
Clube dos Livros
Clumsy Girl
Coisas da Cleo
Compartilhando Leituras
Conta-me Histórias
Cuidado com o Dálmata
Daqui Prá Frente Só Há Dragões
Declaro-me Sonhadora
Destante
De Volta dos Tachos
Directório Livros e Marcadores
Doce Refúgio
Doida por Livros
Dominus
Dos Meus Livros
Esmiuça o Livro
Esmiuçar os Livros
Estante de Livros
Este meu Cantinho
Expressividade
FazendoArte
Finding Neverland
Floresta das Leituras
Floresta de Livros
Folhas de Papel
Ganha Prémios na Net
Ganhar.me
Girl in the Clouds
Godalsky
Gosto de Ti Livro
Grilinha
Há Luz no Fundo do Túnel
Horas Serenas
Ines’s Secrets
Inocência de Amar
Já Ganhavas qualquer Coisa!
Jonasnuts
Kikisses
Lector in Fabula
Learning To Breathe on my Own
Leitura da Semana
Leituras (and so on)
Leituras… By Bauny
Leituras das Marias
Leituras de A a B
Ler
Ler e Reflectir
Ler é Viver
Ler por Gosto não Cansa
Ler, um Prazer Adquirido
Letras&Baquetas
Letras sem Fundo
Leves e Ausentes
Leya BIS
Livreo
Livros de Bia
Livros e Leituras
Livros e Marcadores
Livros, o Meu Vício
Livros no Tempo
Livros para Devorar
Livros que Inspiram
Lost in Chick-Lit
Lucie’s… Corner on the Moon
Magical Pieces…
Mais Alguém no Mundo
Mais Passatempos
Manta de Histórias
Marcador de Livros
Maria Pudim
Max Costinha
Mesmo Grátis
Mil Estrelas no Colo
Minha Essência
Mira 46
Momentâneos
Morrigan
Moura Aveirense
Muito para Ler
Mundo da Inca
Mundo de Prata
My Imaginarium
My Life
Na Companhia dos Livros
Na Esquina do Tempo
Na Palma da Mão
Nataxxa and Geninha’s Blog
Novas Perspectivas Insulares
O Baú da Erminda
O Meu Momento Zen
O Meu Mundo
O Meu Mundo Miga
O Mundo Encantado dos Livros
O Prazer da Leitura
O Prazer de Ler
Os Devaneios da Jojó
Os Livros da Maria
Os Livros Não Têm Segredos
Os Meus Livros
O Sótão da Mimi
O Tempo entre os Meus Livros
Ouvi Dizer
O Vento Debaixo das Minhas Asas
Palavras Impressas
Palavras Partilhadas
Palavras Soltas
Passatempos Online
Pedacinho Literário
Pereira’s Book’s
Photos e Afins
Pintar com Quantas Cores o Vento Tem
Pipocas Gourmet
Planeta Márcia
Poemas, Rimas & Prosas
Pontos e Pensamentos
Porta-Livros
Porto das Pipas
Portugal Creative
Postais de Anis
Prazer dos Passatempos
Princesa Nilo
Princezices
PTPassatempos
Quadrícula
Queria de Ti
Read to Grow Europe
Refém das Letras
Refúgio do Leitor
Refúgio dos Livros
Romance n’Alma
Romances in Pink
Sapo Livros
Segredo dos Livros
Segredos Escondidos
Silêncios que Falam
SimpleSamples
Sociedade Aberta
Sofia e os Livros
Sol a Cada Dia
Sonhos de uma Rapariga
Sombra dos Livros
Tantos Livros Tão Pouco Tempo
Tempo de Mim
Tertúlias à Lareira
The Fanatic Reader
Tocas e Baldocas
Toque Suave
Totó da Cabeça
Tralhas Grátis
Tuga Passatempos
Uma Biblioteca Aberta
Um Livro e um Café
Um Ponto Azul
Vaidades
Viajar pela Literatura
Vidas Desfolhadas




subscrever feeds