Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009



publicado por Rita Mello às 12:35 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009

 

 

Leia os primeiros capítulos de Doces Aromas, de Agnès Desarthe, e responda a esta questão:

Como se chama o restaurante da protagonista?

 

Envie a sua resposta para joanneharris@sapo.pt – e se estiver correcta e for a 1.ª, a 10.ª, a 25.ª, a 50.ª ou a 100.ª a chegar, ganha automaticamente um exemplar de  Doces Aromas, de Agnès Desarthe, que a ASA tem para oferecer. A data limite é sábado, dia 31 de Outubro.

Pode ler os primeiros capítulos do livro aqui.

 



publicado por Rita Mello às 15:51 | link do entrada | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Terça-feira, 27 de Outubro de 2009

 

 

Qual foi a inspiração por detrás de Doces Aromas?

Um dia apercebi-me de que passava mais tempo na cozinha do que na secretária a escrever. Despendia cada vez mais energia criativa a preparar pratos elaborados. Vi isso como um sinal e decidi usar os meus talentos culinários no meu novo romance.

Adoro cozinhar, e fazer compras é um processo bastante importante na culinária. Há uma espécie de reverência ligada ao próprio acto de escolher as frutas e os vegetais. Fico num estado muito próximo daquele em que fico quando estou à procura de uma palavra, do equilíbrio perfeito para uma frase.

 

Como conduziu a sua pesquisa?

Não quis fazer nenhuma pesquisa porque quis ser tão ingénua e indefesa como a minha personagem. Precisava de ver os problemas a aparecer ao lado dela, sem saber melhor do que ela qual a solução para eles. Mas posso acrescentar que já cozinhei para sessenta pessoas por dia, almoço e jantar.

 

Qual foi a coisa mais importante que aprendeu ao escrever este livro?

Descobri que não sermos capazes de amar o nosso próprio bebé era um assunto ainda mais tabu do que fazer sexo com um adolescente… mas isso aconteceu quando o livro foi publicado e posso afirmar que foi uma grande surpresa para mim. Tirando esse “assunto da recepção”, não acho que tenha alguma vez aprendido com a escrita. Quanto menos souber, melhor. O objectivo é ter dúvidas, perder, não aprender nada. Começo do zero com cada novo livro.

 

O facto de ser judia sefardita num país com uma longa tradição de anti-semitismo às claras e às escondidas e que tem também uma grande minoria árabe influenciou a sua escrita?

Na verdade sou meio sefardita e meio asquenaze. Cresci num país onde o sentimento de culpa ligado ao Holocausto impedia as pessoas de demonstrarem muito abertamente o seu anti-semitismo. Mas tudo mudou quando tinha vinte e tal anos: este sentimento de culpa foi substituído por um novo, ligado à descolonização e às atrocidades perpetradas pelo exército francês na Argélia. De repente as pessoas sentiram-se livres para dizer coisas como “porca judia” e tinha-se de fingir que não havia nenhum problema com os árabes. É tudo uma questão de sentimentos reprimidos.

A minha avó falava árabe, tal como o meu pai. Sempre senti que éramos uma espécie de árabes.

O facto de pertencer a uma minoria dever ter influenciado de alguma forma a minha escrita, de um modo que não sei dizer.

 

Como é que o facto de morar em Paris afectou a sua escrita?

Não sei bem se o facto de se morar num determinado sítio influencia a forma como uma pessoa escreve. Como escritora não moro em Paris, mas dentro dos meus livros. Mas neste romance, em particular, posso ter sido afectada ao imaginar o restaurante de Myriam pelos novos restaurantes que abriram recentemente na minha zona (entre o terceiro e o décimo primeiro bairro).

 

Como é que Paris afectou a sua vida?

Passo bastante tempo no campo, onde dou longas caminhadas. Isso ajuda a concentrar-me no meu trabalho. Como não gosto de passear em Paris (demasiado barulho, a qualidade do ar é péssima, não tenho terra macia debaixo dos pés), passo muito tempo em casa e cozinho, porque gosto de manter o meu corpo (ou apenas as minhas mãos) ocupado enquanto trabalho nos enredos.

Nunca me vi a mim mesma como parisiense. Nunca me senti tão perto de casa como em Moscovo. De um modo geral, acho que não pertenço a nenhum lado.

 

(Excerto de uma entrevista concedida ao site Paris Through Expatriate Eyes e disponível em www.paris-expat.com/interviews/5-08chez.htm)



publicado por Rita Mello às 16:44 | link do entrada | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

 

Quem realizou a adaptação para o cinema de As Vidas Privadas de Pippa Lee?

Rebecca Miller

 

Vencedores:

01 – Daniela Patrícia

10 – Marta Cunha e Castro

25 – Patrícia Vargas

50 – Luís Miguel Sales

100 – Vitória Maria Jerónimo



publicado por Rita Mello às 16:39 | link do entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

 

 

Rebecca Miller calcula que demorou mais de uma década “a sair do armário” como escritora. Filha do gigante literário Arthur Miller, indiscutivelmente o maior dramaturgo americano de sempre, a prudência dela é talvez compreensível. Como uma jovem escritora, lidar com o que chama de “peso e sombra” da reputação do pai teria, sem dúvida, sido bastante difícil.

Mas, tendo Arhtur Miller e a fotógrafa Inge Morath como pais, era por ventura inevitável que se tornasse numa artista. Depois de terminar o curso na Universidade de Yale na década de 80, ela expôs como pintora, trabalhou como actriz em Hollywood, representando no cinema e na televisão, e tornou-se realizadora, enquanto ia escrevinhando secretamente. “Estava sempre a escrever contos, e pensei que mais valia tentar com que fossem publicados e admitir que escrevia”, afirma a Rebecca Miller.

“Queria ser independente. A pintura, em particular, era algo que pertencia somente a mim. De certa forma, estou contente por ter esperado. Já experimentei muita coisa e talvez tenha tido tempo para melhorar a minha escrita.”

Muitos críticos acham que ela ficou bastante boa; o seu primeiro livro, a colectânea de contos Velocidade Pessoal, foi bem recebido. A editora Canongate afirma que tem “grandes esperanças” no primeiro romance dela, As Vidas Privadas de Pippa Lee, que sai em Abril e será um dos títulos em destaque na Primavera.

Apesar de ser uma escritora assumida e orgulhosa, Rebecca Miller continua com a sua outra paixão artística, a realização. Em 1995, realizou o seu primeiro filme, o bem recebido filme independente Angela, depois de o ter conseguido financiar através da “teimosia, sorte e pura ignorância”. Desde então já adaptou os seus dois primeiros livros para o grande ecrã e vai fazer o mesmo com As Vidas Privadas de Pippa Lee. As filmagens começam no Verão e vai contar com os pesos pesados Robin Wright Penn, Julianne Moore e Winona Ryder nos principais papéis.

Outro actor que já dirigiu foi o seu marido, o galardoado com um Oscar Daniel Day-Lewis, que conheceu em 1995, quando Day-Lewis estava a filmar a versão cinematográfica de As Bruxas de Salem, de Arthur Miller. Rebecca Miller, inteligente, aberta e afável, mostra-se um pouco mais reservada quando lhe pergunto sobre Day-Lewis, mudando sabiamente de assunto. Mas acaba por dizer que moram os dois no tranquilo e rural condado do Wiclow, na Irlanda, com os dois filhos.

Durante o processo de escrita de As Vidas Privadas de Pippa Lee, Rebecca Miller afirma que começou a ver a história numa “dupla visão”. “Quando acabei o livro, achei que tinha o suficiente para fazer um filme. Quase sempre escrevo livros que são livros e filmes que são filmes. Mas a minha curiosidade por estas personagens fez com que as quisesse explorar mais.”

As Vidas Privadas de Pippa Lee centra-se na personagem que dá nome ao título, uma mulher de cinquenta anos que se instalou numa comunidade para reformados com Herb, o seu marido muito mais velho. Aborrecida com a vida na comunidade e assustada pela decrepitude crescente do marido, ela olha para trás para a sua vida e para a sua juventude desperdiçada, as relações tensas com a mãe e os sacrifícios que fez pelos filhos.

Para Rebecca Miller, um dos temas principais do livro é a identidade como um “projecto mutável e em andamento”. “A ideia veio quando, depois de alguns anos, reencontrei uma amiga que era uma jovem rebelde na altura que a conheci. E agora ali estava ela, uma mãe respeitável e uma anfitriã graciosa. E eu não parava de pensar: ‘Como é que isso aconteceu?’”

Depois de concluir a versão cinematográfica de As Vidas Privadas de Pippa Lee, Rebecca Miller vai começar um novo livro. Ela tem pensando também nalguns projectos de filmes, mas admite que conseguir financiar os filmes exigentes que quer realizar é uma tarefa complicada. “Mas não faz mal, porque um dos aspectos maravilhosos sobre o modo como a minha vida está a correr agora é que ninguém me pode tirar a escrita. De uma forma ou de outra, vou sempre contar histórias.”

(Artigo da autoria de Tom Tivnan, publicado na The Bookseller, no dia 10 de Janeiro de 2008)



publicado por Rita Mello às 14:10 | link do entrada | comentar | favorito
|

 

Obrigada, Tinkerbell (My Imaginarium), por este selinho personalizado


tags:

publicado por Rita Mello às 12:15 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009


publicado por Rita Mello às 17:10 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Outubro de 2009

 

 

Sou uma mentirosa? Sou, pois disse ao meu banco que frequentei a escola de hotelaria e que fiz um estágio de dezoito meses na cozinha do Ritz. Apresentei os diplomas e os contratos que forjara na véspera. Exibi, assim, um BTS [diploma universitário de técnico superior] de gestão, uma bela falsificação. Gosto de viver em situações de risco. Foi o que me deitou a perder, outrora, é o que me leva a vencer, agora. No banco, ficaram encantados. Concederam-me o empréstimo. Agradeci sem hesitar. Uma inspecção médica? Nenhum problema. O meu sangue, o meu precioso sangue, é puro, completamente puro, como se nada tivesse passado por mim.

Serei uma mentirosa? Não, pois sei fazer tudo o que asseguro saber fazer. Manejo as espátulas como um malabarista as suas maças; qual contorcionista, acciono com leveza, e de forma independente, as diferentes partes do corpo: com uma mão, bato um molho, enquanto com a outra separo as claras das gemas e ato uma aumônière [espécie de crepe recheado de ingredientes doces ou salgados, que é dobrado e fechado em forma de bolsa]. É verdade que os adolescentes de lábio superior penugento e rosto salpicado de borbulhas, e cabelo gorduroso escondido debaixo do chapéu de ajudantes de cozinha, podem saber controlar a cor de âmbar de um caramelo definitivamente macio, amanhar um salmonete sem desperdiçar um miligrama de carne e alinhar salsichas como Penélope fazia malha. Mas. MAS! Fechem-nos numa cozinha com cinco garotos aos berros, cheios de fome, que lhes tolhem as pernas e são obrigados a voltar para a escola meia hora mais tarde (um é alérgico a lacticínios, e outro não gosta de nada), lancem os nossos valentes aprendizes neste fosso de crias de leões, com um frigorífico vazio, frigideiras cujo fundo deixa queimar os alimentos, e o desejo de servir aos garotos uma refeição equilibrada, e depois deixem-nos entrar em acção. Observem a obra dos corajosos jovens de faces rosadas e vejam como se desembaraçam.

Tudo o que os seus diplomas consagram, aprendi eu nas minhas vidas. A primeira vida, nos tempos remotos em que fui mãe de família. A segunda, numa época mais recente, quando ganhava o pão na cozinha do circo Santo Salto.

O meu restaurante será pequeno e de preços módicos. Não gosto de coisas complicadas. Chamar-se-á Chez moi, pois é lá que dormirei; não tenho dinheiro que chegue para pagar a renda de um estabelecimento e a de um apartamento.

Os clientes comerão todas as receitas que eu inventar, as que transformar, as que intuir. Não haverá música de fundo – sou demasiado emotiva – e os candeeiros do tecto serão cor de laranja. Já comprei um frigorífico gigante na avenue de la République. Prometeram-me um forno e uma placa de cozinha a preços acessíveis.

«Não se importa se estiver riscada? – De modo nenhum! Eu mesma estou bastante riscada.» O vendedor não se ri. Não sorri. Os homens não apreciam que as mulheres se desvalorizem. Também encomendo uma máquina de lavar louça com capacidade para quinze conjuntos de talheres, é o modelo mais reduzido. «Não será suficiente, afirma o tipo. – É o máximo a que posso atrever-me. Para os primeiros tempos, será suficiente.» O vendedor promete enviar-me clientela. Promete que ele próprio irá jantar um dia ao meu restaurante, sem avisar; para me fazer uma surpresa. Tenho a certeza de que está a mentir, mas é-me indiferente, não me seria agradável cozinhar para ele.

Cozinho com e por amor. Como proceder para gostar dos meus clientes? O luxo da interrogação leva-me a pensar nas prostitutas que, justamente, não têm direito a esse luxo.

Continue a ler os primeiros capítulos de Doces Aromas, de Agnès Desarthe, aqui.



publicado por Rita Mello às 15:43 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

 

 

 

 

 

 

 

Chove mais no Chocolate para a Alma do que lá fora.... Ainda bem é que são selinhos e não água

Obrigada, Ana (Livros, o Meu Vício), A. e B. (Leituras de A a B) e Lia (Gosto de Ti Livro).


tags:

publicado por Rita Mello às 15:32 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

 

Para os apreciadores de Chocolate, de Joanne Harris, e de Como Água para Chocolate, de Laura Esquivel, Doces Aromas reserva os sabores e os odores imprescindíveis ao romance… e a uma boa mesa.

 

Myriam é uma alma errante. Uma mulher contraditória cujo passado esconde memórias dolorosas e segredos inconfessáveis. Ela não faz a mínima ideia de como se gere um negócio quando decide abrir um restaurante num bairro calmo de Paris, mas, armada apenas com o seu amor pela culinária, está decidida a tentar. Inspirada pelos aromas e sabores de Paris, Myriam aposta tudo nesta nova aventura. Mal conseguindo pagar a renda, dorme às escondidas na sala de jantar enquanto tenta lidar com as recordações do passado e os sonhos que acalenta para o futuro. Mas, pouco a pouco, os seus pratos deliciosos atraem os vizinhos e Myriam apercebe-se de que pode ter-lhe sido dada uma segunda oportunidade na vida e no amor.



publicado por Rita Mello às 10:27 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

 

 

“Este livro vai abrir-lhe o apetite. Não podemos comê-lo mas podemos lê-lo. Está recheado de saborosos prazeres e tem zero calorias.”
Elle

 

“Um dos romances mais saborosos do ano.”
Lire

 

“Leiam Doces Aromas. Nos seus aromas a coentros, respiramos o perfume do desejo, essa força subversiva.”
Le Nouvel Observateur

 

“Um verdadeiro banquete de palavras, de sabores, de poesia, de delicadeza, de inteligência, de humor, mas também de seriedade.”
Le Monde

 

“Um livro que atrai o leitor como o aroma de uma caçarola ao lume.”
Financial Times

 

“Este livro encantador é como um cassoulet a borbulhar de descrições exuberantes e deliciosas de culinária e observações sinceras sobre a vida.”
Publishers Weekly

 

Agnès Desarthe sabe ser séria e alegre, profunda e ligeira, e compor uma deliciosa salgalhada de personagens tragicómicas. O modo como tempera cada uma das suas frases, cada um dos seus capítulos com uma mestria culinária faz-nos redescobrir com subtileza o sabor de cada palavra.”
Télérama

 

“Uma história deliciosa.”
Easy Living



publicado por Rita Mello às 10:27 | link do entrada | comentar | favorito
|

 

 

Agnès Desarthe nasceu em Paris, em 1966. Para ela o francês é como uma língua estrangeira, já que em casa falava árabe, russo e iídiche. Começou como tradutora e escreveu depois livros para crianças e adolescentes, romances, canções, argumentos e peças de teatro. Vencedora do Prémio Livre Inter em 1996 com Un secret sans importance, Agnès Desarthe viu o seu livro Doces Aromas ser nomeado para o Prémio Renaudot em 2006.

 

Para mais informações sobre a autora consulte o site www.agnesdesarthe.com



publicado por Rita Mello às 10:26 | link do entrada | comentar | favorito
|

Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

 

 

 

Quem realizou a adaptação para o cinema de As Vidas Privadas de Pippa Lee? 

Envie a sua resposta para joanneharris@sapo.pt – e se estiver correcta e for a 1.ª, a 10.ª, a 25.ª, a 50.ª ou a 100.ª a chegar, ganha automaticamente um exemplar de As Vidas Privadas de Pippa Lee, de Rebecca Miller, que a ASA tem para oferecer. A data limite é sexta-feira, dia 24 de Outubro.



publicado por Rita Mello às 14:38 | link do entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

 

 



publicado por Rita Mello às 14:08 | link do entrada | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

 

 

Como se chama a tia cruel das irmãs Hannah e Julie?

Marian Beecham

 

Vencedores:

01 – Neusa do Vale

10 – Paula Marques

25 – Paula Pires

50 – Raquel Sofia Santos

100 – José Rodrigues



publicado por Rita Mello às 17:15 | link do entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
|































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

Amigas e amigos
A Casa Torta
A Galáxia dos Livros
A Gémea que Faltava
Alojaeasverdades
A Magia dos Livros
A Menina dos Policiais
Ametista Cintilante
A Minha Vida em Mil Páginas
Amostras e Passatempos
Anjo, Estrelinhas e Manas
Ao Ler o Livro
A Opinião do Prazer
A Participar
A Partir dos 30
Artes e Devaneios
As Ameias do Crepúsculo
As Histórias de Elphaba
As Leituras da Fernanda
As Leituras da Maggie
As Leituras do Corvo
As Minhas Leituras
Avenida Surrealista
A Viajante
Bad Books Don’t Exist
BiblioMigalhas
Biblioteca CEF LIVROS com VIDA
Biblioteca do CEDV
BlogBrottas
Blogtailors
Bookeater/Booklover
BookManíacas
Books and Books
Books Around the Corner
By Juaniska
Café de Letras
Cantinho das Partilhas
Cartuchos Literários do Guerreiro
Castelo de Letras
Chá da Meia-Noite
Chá de Menta
Chá para Dois
Chovem Livros
Cinco Quartos de Laranja
Clorofórmio do Espírito
Clube dos Livros
Clumsy Girl
Coisas da Cleo
Compartilhando Leituras
Conta-me Histórias
Cuidado com o Dálmata
Daqui Prá Frente Só Há Dragões
Declaro-me Sonhadora
Destante
De Volta dos Tachos
Directório Livros e Marcadores
Doce Refúgio
Doida por Livros
Dominus
Dos Meus Livros
Esmiuça o Livro
Esmiuçar os Livros
Estante de Livros
Este meu Cantinho
Expressividade
FazendoArte
Finding Neverland
Floresta das Leituras
Floresta de Livros
Folhas de Papel
Ganha Prémios na Net
Ganhar.me
Girl in the Clouds
Godalsky
Gosto de Ti Livro
Grilinha
Há Luz no Fundo do Túnel
Horas Serenas
Ines’s Secrets
Inocência de Amar
Já Ganhavas qualquer Coisa!
Jonasnuts
Kikisses
Lector in Fabula
Learning To Breathe on my Own
Leitura da Semana
Leituras (and so on)
Leituras… By Bauny
Leituras das Marias
Leituras de A a B
Ler
Ler e Reflectir
Ler é Viver
Ler por Gosto não Cansa
Ler, um Prazer Adquirido
Letras&Baquetas
Letras sem Fundo
Leves e Ausentes
Leya BIS
Livreo
Livros de Bia
Livros e Leituras
Livros e Marcadores
Livros, o Meu Vício
Livros no Tempo
Livros para Devorar
Livros que Inspiram
Lost in Chick-Lit
Lucie’s… Corner on the Moon
Magical Pieces…
Mais Alguém no Mundo
Mais Passatempos
Manta de Histórias
Marcador de Livros
Maria Pudim
Max Costinha
Mesmo Grátis
Mil Estrelas no Colo
Minha Essência
Mira 46
Momentâneos
Morrigan
Moura Aveirense
Muito para Ler
Mundo da Inca
Mundo de Prata
My Imaginarium
My Life
Na Companhia dos Livros
Na Esquina do Tempo
Na Palma da Mão
Nataxxa and Geninha’s Blog
Novas Perspectivas Insulares
O Baú da Erminda
O Meu Momento Zen
O Meu Mundo
O Meu Mundo Miga
O Mundo Encantado dos Livros
O Prazer da Leitura
O Prazer de Ler
Os Devaneios da Jojó
Os Livros da Maria
Os Livros Não Têm Segredos
Os Meus Livros
O Sótão da Mimi
O Tempo entre os Meus Livros
Ouvi Dizer
O Vento Debaixo das Minhas Asas
Palavras Impressas
Palavras Partilhadas
Palavras Soltas
Passatempos Online
Pedacinho Literário
Pereira’s Book’s
Photos e Afins
Pintar com Quantas Cores o Vento Tem
Pipocas Gourmet
Planeta Márcia
Poemas, Rimas & Prosas
Pontos e Pensamentos
Porta-Livros
Porto das Pipas
Portugal Creative
Postais de Anis
Prazer dos Passatempos
Princesa Nilo
Princezices
PTPassatempos
Quadrícula
Queria de Ti
Read to Grow Europe
Refém das Letras
Refúgio do Leitor
Refúgio dos Livros
Romance n’Alma
Romances in Pink
Sapo Livros
Segredo dos Livros
Segredos Escondidos
Silêncios que Falam
SimpleSamples
Sociedade Aberta
Sofia e os Livros
Sol a Cada Dia
Sonhos de uma Rapariga
Sombra dos Livros
Tantos Livros Tão Pouco Tempo
Tempo de Mim
Tertúlias à Lareira
The Fanatic Reader
Tocas e Baldocas
Toque Suave
Totó da Cabeça
Tralhas Grátis
Tuga Passatempos
Uma Biblioteca Aberta
Um Livro e um Café
Um Ponto Azul
Vaidades
Viajar pela Literatura
Vidas Desfolhadas




subscrever feeds