Quinta-feira, 5 de Março de 2009

 

Agridoce é sobre o impacto que as mentiras podem ter nas relações familiares. Na sua opinião, uma mentira pode ser positiva?
Às vezes temos de mentir para sermos educados, e é por isso que existe apenas uma resposta aceitável para a pergunta: “O meu rabo parece grande nestas calças?”

 

Pensa que a mentira desempenha um papel preponderante nas culturas dos imigrantes do Paquistão e Bangladesh?
Penso que muitas famílias de imigrantes do Paquistão e do Bangladesh ainda lutam com uma disparidade entre os seus valores orientais e islâmicos e os da sociedade ocidental onde escolheram viver, na medida em que comportamentos tradicionalmente “inaceitáveis” como a homossexualidade, o namoro, a bebida e o jogo não são abertamente aceites pela primeira geração, forçando os membros mais jovens e mais ocidentalizados da família a mentirem. Dito isto, em Agridoce, os conflitos morais das personagens, que os conduzem à mentira, não são resultado de dilemas religiosos ou choques culturais, mas devem-se antes às suas próprias emoções muito pessoais e ambíguas.

 

As suas personagens são representativas das comunidades imigrantes do Paquistão e do Bangladesh?
Vivi em três zonas de Londres com uma grande proporção de imigrantes, Tooting, Bethnal Green e Southwark, e inspirei-me nas pessoas que conheci nesses locais, bem como na minha própria experiência. A confeitaria de Bhai Hassan e o bem-sucedido negócio de restauração de Parvez têm muitos equivalentes reais
em Tooting. No entanto, as minhas personagens são da classe média, não representando a maioria dos imigrantes. Foi recentemente noticiado, em Abril de 2007, que, no Reino Unido, cerca de dois terços dos imigrantes de Bengala ainda vive na pobreza.

 

O romance começa com um casamento arranjado nos anos 50. Este género de casamentos ainda tem lugar? Na sua opinião, são bem-sucedidos?
O casamento arranjado de Henna com Ricky-Rashid foi bastante avançado para os anos 50, uma vez que tiveram a oportunidade de se encontrar algumas vezes antes da cerimónia. Naquela altura não era muito comum, uma vez que todos os arranjos eram feitos entre os chefes das famílias, e os noivos apenas se conheciam no dia do casamento.
Os casamentos arranjados constituíam a norma na geração dos meus avós, e ainda eram muito comuns na geração dos meus pais. Na altura, os meus próprios pais foram considerados pouco convencionais, uma vez que se conheceram no trabalho, casaram por amor e organizaram o casamento deles sem o envolvimento ou a aprovação dos pais. Os casamentos arranjados ainda se realizam actualmente, tanto no Reino Unido como no subcontinente indiano. Os que conheço são um bocado mais modernos, permitindo, desde o início, uma consulta muito maior entre os potenciais noivos e envolvendo vários encontros antes que os noivos concordem
em casar. Em alguns casos, é mais uma “apresentação” do que um arranjo, sendo que é o casal que decide se quer avançar e conhecer-se melhor com vista a um possível casamento. É-me difícil dar uma opinião sobre se um casamento deste género é bem-sucedido ou não, uma vez que, tal como qualquer casamento, fazê-lo funcionar depende da vontade de ambas as partes.

 

Até que ponto é que o seu livro é autobiográfico?
Penso que é muito tentador para muitos autores que começam a escrever pela primeira vez limitarem-se às experiências que conhecem e escreverem contos semiautobiográficos. No meu caso, livrei-me desse desejo com o primeiro manuscrito que escrevi, que terminei um ano antes de me dedicar a Agridoce, mas que não foi publicado. Agridoce é uma obra de ficção, no entanto, usei a minha experiência pessoal no que respeita aos lugares onde se passa a acção; vivi vários anos em Tooting, na zona sudoeste de Londres, onde podemos encontrar uma mistura de imigrantes asiáticos, indianos e irlandeses; tal como Omar, tirei o curso em Oxford, e recordo-me com carinho de todos os locais de Oxford dos meus dias de estudante. No momento em que estava a escrever Agridoce já não ia ao Bangladesh ou ao Paquistão há alguns anos, mas felizmente a minha mãe conseguiu avivar as minhas memórias de infância destes locais através das histórias que me contou. Em relação às minhas personagens, não há nenhuma com quem me identifique em particular, uma vez que eles representam diferentes aspectos de mim mesma ou da pessoa que eu seria se fosse extrovertida e manhosa como Henna ou uma romântica incurável como Ricky-Rashid; tal como muitos autores, ao criá-los, apoiei-me bastante nas minhas experiências de amor e desejo, desespero e culpa, inépcia e aspiração.

 

Como é que a comunidade asiática reagiu a Agridoce?
Tive reacções muito positivas ao livro; algumas pessoas disseram que era reconfortante deparar com um romance que retrata os bangladechianos modernos de uma forma positiva, em vez de os retratar como vítimas pobres arrastadas das suas aldeias para a sordidez urbana. Henna é um tipo de dona de casa de Bengala muito diferente do que estamos habituados a ver no Ocidente, pois é extrovertida, uma manipuladora convicta, cosmopolita e elegante. No entanto, fui também criticada por alguns quadrantes por não ter sido suficientemente “política” e não ter representado o choque entre as culturas ocidentais e orientais como uma força motriz do romance. Foi uma escolha deliberada. Tive a sorte de pertencer a uma geração sem complexos de inferioridade em relação às suas origens; é simplesmente o que sou. Do mesmo modo, apesar das minhas personagens serem asiáticas, a minha preocupação não foi a de explorar temas relacionados com a sua condição de asiáticos, mas com as profundas motivações psicológicas e emocionais que não estão relacionadas com a raça. As minhas personagens são universais, uma vez que estou muito mais interessada no que está por debaixo da pele.

 

Quais são as suas origens?
Tal como os irmãos gémeos do romance, o meu pai era paquistanês e a minha mãe era do Bangladesh. Nasci em 1974, no Paquistão, mas a minha família mudou-se para Londres quando tinha sete meses. Aos dezasseis anos tinha dupla nacionalidade paquistanesa e britânica. A minha família foi sempre muito internacional e muito descontraída em relação à nossa fé muçulmana; quando os meus pais se separaram o meu pai casou com uma católica sino-americana e o companheiro de longa data da minha mãe é um judeu anglo-iraquiano. As minhas irmãs e eu fomos criadas num ambiente liberal onde podíamos namorar e beber sem censura, mantendo na mesma a nossa identidade muçulmana. Não houve qualquer censura na nossa grande família quando casei com o meu marido anglo-irlandês numa cerimónia civil (eu vesti um sari, ele um fato), apesar da minha tia ter ficado perplexa alguns anos mais tarde quando lhe expliquei que tinha deixado o meu marido a tomar conta do bebé: “Mas ele é um homem! Tens a certeza de que é capaz?”

 

Quando é que se apercebeu de que queria ser escritora?
Eu sempre quis ser escritora, e escrevia contos e poemas para mim quando era criança. Cheguei a escrever um romance de ficção científica quando tinha quinze anos, o qual enviei cheia de esperança a todas as editoras da cidade. Não imaginava que pudesse construir uma carreira a escrever, e por isso tirei um curso de Contabilidade e depois outro de Publicidade. Foi só em 2003, quando o meu primeiro manuscrito a sério atraiu algum interesse da parte de uma editora muito conhecida, que decidi fazer uma pausa no trabalho para me dedicar à escrita a tempo inteiro. Abandonei o meu emprego como directora de contas numa agência de publicidade, em 2004, e tive a sorte de assinar um contrato para dois livros um ano mais tarde ao terminar Agridoce. Este é o trabalho que sempre sonhei, pois escrever é algo que faço por prazer, apesar de dois filhos desde 2005, já escrevi o meu segundo romance, e estou agora a iniciar as pesquisas para o terceiro.

 

(Entrevista de Roopa Farooki à editora Pan MacMillan)



publicado por Rita Mello às 09:00 | link do entrada | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Maggie a 9 de Março de 2009 às 01:00
Olá!

Só para dizer que deixei um selo no meu blog para este blog tão reconfortante. :)



Comentar entrada































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

Amigas e amigos
A Casa Torta
A Galáxia dos Livros
A Gémea que Faltava
Alojaeasverdades
A Magia dos Livros
A Menina dos Policiais
Ametista Cintilante
A Minha Vida em Mil Páginas
Amostras e Passatempos
Anjo, Estrelinhas e Manas
Ao Ler o Livro
A Opinião do Prazer
A Participar
A Partir dos 30
Artes e Devaneios
As Ameias do Crepúsculo
As Histórias de Elphaba
As Leituras da Fernanda
As Leituras da Maggie
As Leituras do Corvo
As Minhas Leituras
Avenida Surrealista
A Viajante
Bad Books Don’t Exist
BiblioMigalhas
Biblioteca CEF LIVROS com VIDA
Biblioteca do CEDV
BlogBrottas
Blogtailors
Bookeater/Booklover
BookManíacas
Books and Books
Books Around the Corner
By Juaniska
Café de Letras
Cantinho das Partilhas
Cartuchos Literários do Guerreiro
Castelo de Letras
Chá da Meia-Noite
Chá de Menta
Chá para Dois
Chovem Livros
Cinco Quartos de Laranja
Clorofórmio do Espírito
Clube dos Livros
Clumsy Girl
Coisas da Cleo
Compartilhando Leituras
Conta-me Histórias
Cuidado com o Dálmata
Daqui Prá Frente Só Há Dragões
Declaro-me Sonhadora
Destante
De Volta dos Tachos
Directório Livros e Marcadores
Doce Refúgio
Doida por Livros
Dominus
Dos Meus Livros
Esmiuça o Livro
Esmiuçar os Livros
Estante de Livros
Este meu Cantinho
Expressividade
FazendoArte
Finding Neverland
Floresta das Leituras
Floresta de Livros
Folhas de Papel
Ganha Prémios na Net
Ganhar.me
Girl in the Clouds
Godalsky
Gosto de Ti Livro
Grilinha
Há Luz no Fundo do Túnel
Horas Serenas
Ines’s Secrets
Inocência de Amar
Já Ganhavas qualquer Coisa!
Jonasnuts
Kikisses
Lector in Fabula
Learning To Breathe on my Own
Leitura da Semana
Leituras (and so on)
Leituras… By Bauny
Leituras das Marias
Leituras de A a B
Ler
Ler e Reflectir
Ler é Viver
Ler por Gosto não Cansa
Ler, um Prazer Adquirido
Letras&Baquetas
Letras sem Fundo
Leves e Ausentes
Leya BIS
Livreo
Livros de Bia
Livros e Leituras
Livros e Marcadores
Livros, o Meu Vício
Livros no Tempo
Livros para Devorar
Livros que Inspiram
Lost in Chick-Lit
Lucie’s… Corner on the Moon
Magical Pieces…
Mais Alguém no Mundo
Mais Passatempos
Manta de Histórias
Marcador de Livros
Maria Pudim
Max Costinha
Mesmo Grátis
Mil Estrelas no Colo
Minha Essência
Mira 46
Momentâneos
Morrigan
Moura Aveirense
Muito para Ler
Mundo da Inca
Mundo de Prata
My Imaginarium
My Life
Na Companhia dos Livros
Na Esquina do Tempo
Na Palma da Mão
Nataxxa and Geninha’s Blog
Novas Perspectivas Insulares
O Baú da Erminda
O Meu Momento Zen
O Meu Mundo
O Meu Mundo Miga
O Mundo Encantado dos Livros
O Prazer da Leitura
O Prazer de Ler
Os Devaneios da Jojó
Os Livros da Maria
Os Livros Não Têm Segredos
Os Meus Livros
O Sótão da Mimi
O Tempo entre os Meus Livros
Ouvi Dizer
O Vento Debaixo das Minhas Asas
Palavras Impressas
Palavras Partilhadas
Palavras Soltas
Passatempos Online
Pedacinho Literário
Pereira’s Book’s
Photos e Afins
Pintar com Quantas Cores o Vento Tem
Pipocas Gourmet
Planeta Márcia
Poemas, Rimas & Prosas
Pontos e Pensamentos
Porta-Livros
Porto das Pipas
Portugal Creative
Postais de Anis
Prazer dos Passatempos
Princesa Nilo
Princezices
PTPassatempos
Quadrícula
Queria de Ti
Read to Grow Europe
Refém das Letras
Refúgio do Leitor
Refúgio dos Livros
Romance n’Alma
Romances in Pink
Sapo Livros
Segredo dos Livros
Segredos Escondidos
Silêncios que Falam
SimpleSamples
Sociedade Aberta
Sofia e os Livros
Sol a Cada Dia
Sonhos de uma Rapariga
Sombra dos Livros
Tantos Livros Tão Pouco Tempo
Tempo de Mim
Tertúlias à Lareira
The Fanatic Reader
Tocas e Baldocas
Toque Suave
Totó da Cabeça
Tralhas Grátis
Tuga Passatempos
Uma Biblioteca Aberta
Um Livro e um Café
Um Ponto Azul
Vaidades
Viajar pela Literatura
Vidas Desfolhadas




subscrever feeds