Terça-feira, 13 de Setembro de 2011

Muitas vezes que as coisas não correm da forma como eu esperava. Quando o meu primeiro romance, Caffè Amore, foi publicado no Reino Unido na capa estava escrito “a mais convincente história de amor do ano”. Como? História de amor? Não fazia absolutamente nenhuma ideia que tinha sido isso o que eu escrevera.

Ao longo dos anos continuei a escrever histórias sobre amizade, família e comida passadas entre Itália e Inglaterra, livros que eu classificaria como ficção feminina contemporânea, mas que outras pessoas chamavam de histórias de amor ou chick lit.

Por isso quando embarquei no meu mais recente romance, As Raparigas da Villa, decidi que era altura de escrever uma verdadeira história de amor. Uma história de amor mesmo boa. De propósito.

Não correu assim tão bem. Fundamentalmente, o que me apercebi desde cedo foi que não fazia a mínima ideia do que levava uma pessoa a apaixonar-se por outra. Era o sentido de oportunidade? Necessidade? Destino? Luxúria? Ou era algo completamente diferente?

Precisava de pesquisar. Uma noite, durante uma viagem de carro, perguntei ao meu marido, com quem estou há doze anos: “O que achas que nos levou a escolhermo-nos um ao outro, apaixonarmo-nos e vivermos felizes, meu amor?”

Sem tirar os olhos da estrada, ele respondeu: “Tu colaste-te a mim, não foi?”

Mais ninguém me conseguiu dar uma grande ajuda. Amigos e familiares tiveram dificuldades em definir com exatidão o que os tinha unido. Comecei a sentir uma inimaginável simpatia pelo príncipe Carlos, que, quando lhe perguntaram se estava apaixonado pela sua nova noiva, Diana Spencer, ele respondeu: “O que quer que estar apaixonado signifique.”

O amor é um grande mistério. É precisamente por isso que tantos poemas, canções e histórias foram escritos sobre ele. A ciência não o consegue verdadeiramente explicar. O amor é fenomenal. Até agora a minha tentativa para escrever um romance não o era.

A minha salvação chegou na forma de um convite de Branka Simunovich para visitar a sua vasta herdade de cultivo da azeitona a sul de Auckland para assistir à colheita. Assisti ao fruto a ser abanado das oliveiras e a seguir prensado, provei uma colher desse líquido divinal e ouvi Branka a falar com uma grande paixão do azeite. E decidi que As Raparigas da Villa seria uma história sobre uma herdade de oliveiras.

Houve outras coisas que me influenciaram. Por exemplo, apercebi-me de que escrevera quatro romances sobre comida e Itália sem nunca ter lidado com as por vezes complicadas relações que as mulheres têm com a comida ou com a corrupção presente no quotidiano italiano, principalmente no Sul.

Até que um dia em que me devia estar a sentir ligeiramente esgotada, tive um momento mal-humorado sobre a forma como hoje em dia toda a gente é tão ambiciosa, sempre a tentarem alcançar mais, nunca satisfeitos. E interroguei-me como seria escrever uma história sobre alguém completamente satisfeita com a vida tal como ela é e não enveredando por um caminho de autoaperfeiçoamento.

E assim As Raparigas da Villa tornou-se no romance sobre uma jovem inglesa chamada Rosie – uma estilista gastronómica que não quer mudar nada na sua vida. E sobre um jovem chamado Enzo, que vai herdar uma enorme herdade dedicada ao cultivo de azeitonas e que não tem a certeza que quer o que a vida tem reservada para ele. Este era um enredo forte o suficiente para desenvolver o meu tema realista, apesar de ter dado também origem a um gosto financeiramente ruinoso por azeites de elevada qualidade.

Ainda é cedo, mas até agora as pessoas parecem gostar do livro. Um dos meus editores qualificou-o de “emotivo, com um ritmo maravilhoso e convincente”.

O meu marido diz que é um livro impossível de pousar e que lhe provocou uma lágrima no canto do olho (e eu bem sei o quanto ele pode ser brutalmente honesto). E assim escrevi mais um livro sobre amizade, família e comida. Mas é uma história de amor? Hum, muitas vezes as coisas não correm da forma como eu esperava…

(Artigo de Nicky Pellegrino publicado no New Zealand Herald)



publicado por Rita Mello às 16:44 | link do entrada | comentar | favorito

4 comentários:
De Ash a 14 de Setembro de 2011 às 11:01
Adorei o artigo!! Aqui está a razão que me vai levar a ler este livro. Fantástico.


De Rita Mello a 14 de Setembro de 2011 às 11:08


De Moura Aveirense a 22 de Setembro de 2011 às 23:17
O livro é muito agradável, já estou a meio. Gosto muito da escrita fluida da Nicky e da descrição daquelas receitas italianas irresistíveis!


De Vera a 23 de Setembro de 2011 às 23:23
Mai um maravilhoso romance. Suave, emotivo e uma verdadeira história de amor sem ser arrebatador ou fantastico, apenas possivel.

Gostei muito do artigo de Nicky Pellegrino e do livro que acabei de ler.


Comentar entrada

arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

subscrever feeds