Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHOCOLATE PARA A ALMA – LER NÃO ENGORDA

CHOCOLATE PARA A ALMA – LER NÃO ENGORDA

12
Mai09

ENTREVISTA COM NICKY PELLEGRINO

Rita Mello

 

Quem é a sua escritor favorita?

Adoro todos os livros de Amy Tan. Ela consegue combinar histórias e personagens envolventes. E faz-me sempre querer comer boa comida chinesa.

Qual o primeiro livro que se lembra de ler?

Eu era fã de Enid Blyton. Lembro-me de um livro chamado The Children of Cherry Tree Farm, que vou lendo de vez em quando. Penso que era basicamente sobre um grupo de crianças da cidade a descobrir a Natureza.

Onde mora? E porquê?

Moro em Auckland, na Nova Zelândia, sobretudo porque me apaixonei por um kiwi [nome dado aos naturais da Nova Zelândia]. Mas adoro também as enormes praias desertas e o facto de ter uma população pequena. Este país ainda está imaculado e se ainda não o visitaram deveriam fazê-lo.

Qual a maior influência na sua escrita?

Os meus pais. O meu pai é do Sul de Itália e a minha mãe do Norte de Inglaterra. Ambos os lugares e as pessoas que lá conheci moldaram o meu modo de pensar e escrever.

Onde costuma escrever?

Oficialmente, numa pequena cabana húmida no fundo do jardim. Na verdade, na cama, no sofá, na mesa de jantar, nas férias…

Máquina de escrever, processador de texto ou caneta?

O meu iBook. Tenho a certeza de que faz um monte de coisas espectaculares mas a única coisa que faço com ele é escrever.

Qual o seu herói ou vilão favoritos?

Não tenho.

Onde nasceu e cresceu?

Nasci em Liverpool e cresci em Wallasey, mesmo acima do rio Mersey. O meu pai trabalhava numa fábrica e a minha mãe dedicava-se a educar-nos.

Qual a sua filosofia de vida?

Não te limites. E tenta acordar feliz.

Quantos irmãos e irmãs tem?

Tenho dois irmãos. Vince é actor e tem aparecido em programas televisivos como Casualty e Where the Heart Is. Eduardo está a tirar um doutoramento em Física.

Gostou do seu tempo de escola? O que é que quis ser desde pequena e quando e como é que mudou de ideias?

Tal como muita gente, sempre imaginei que um dia ia escrever um romance. Se soubesse que era apenas uma questão de me sentar e começar, talvez já o tivesse feito mais cedo.

Quais as suas cinco músicas favoritas?

Qualquer uma cantada por Nina Simone.

Quais as primeiras peças literárias que escreveu?

Escrevi um poema chamado “I Wish I Had a Poney” quando era muito nova. Só passados trinta anos é que escrevi novamente.

Quem admira mais e porquê?

Qualquer pessoa que tenha a coragem de ir atrás dos seus sonhos.

Que empregos teve antes de começar a escrever?

Ainda tenho um emprego. Sou editora de uma revista chamada New Zealand Weddings. O meu sonho é ser escritora a tempo inteiro, mas ainda me falta um bocado de coragem nesse capítulo.

Se a sua casa se incendiasse o que é que salvava?

O meu marido, o meu caniche Fergus e o meu portátil (que tem o primeiro rascunho do meu próximo romance).

Qual a sua melhor ou pior experiência de férias?

Parti um dedo do pé na minha noite de núpcias. Estávamos nas ilhas Fiji na altura, por isso acho que conta como férias. Estava convencida de que o meu novo marido se tinha afogado na piscina do hotel, por isso comecei a correr como uma louca no escuro. O inevitável aconteceu e estatelei-me no chão. O meu marido apareceu logo a seguir. Tinha ido levar a mãe ao quarto do hotel.

Qual a sua experiência mais embaraçosa?

Na noite anterior ao meu casamento tropecei numa palmeira no escuro e esfolei a minha perna toda. A ferida resultante conseguia-se ver através do meu vestido de noiva. Senti-me humilhada. Naquela altura, não sabia que o incidente com o dedo do pé iria doer muito mais.

Como escreve os romances?

Penso bastante nele e depois planeio o enredo básico e as personagens. Frequentemente as coisas mudam à medida que desenvolvo a história.

Tem alguma história (ou curiosidade) em relação à investigação ou escrita dos seus livros?

A minha ideia inicial para Caffè Amore envolvia passar três meses em Itália com as minhas tias a ensinarem-me a cozinhar. Infelizmente isso nunca aconteceu. Mas consegui usar o livro como desculpa para viajar para Itália e para comer quantidades inimagináveis de mozzarella de búfala, tudo em nome da pesquisa.

Os seus livros já foram adaptados à televisão ou ao cinema?

Quem me dera.

Qual o seu dia típico de escrita?

Não os tenho propriamente. Escrevo aos fins-de-semana, noites ou quando estou de folga do trabalho. O truque é ignorar as teias de aranha no tecto, a roupa por lavar, a despensa vazia, etc. e mergulhar de cabeça na escrita sempre que tenho a oportunidade.

O que costuma fazer quando não está a escrever? Como relaxa? Quais são os seus passatempos?

Tenho um cavalo numa quinta perto de uma linda praia de areia negra chamada Muriwai. É um grande alazão puro-sangue chamado Boxer e adoro fazer saltos a cavalo, mas acontece que sou bastante má nisso!

Que coisa sobre si pode surpreender mais as pessoas?

Tenho mais de 1,80 metros.

Quer acrescentar mais alguma coisa?

Hum, não.

11
Mai09

LEIA OS PRIMEIROS CAPÍTULOS DE A NOIVA ITALIANA

Rita Mello

 

O manequim estava encostado no canto do quarto de Pieta, no sótão. O vestido que ela tinha enfiado nele não era mais do que um molde toscamente alinhavado, mas Pieta via a forma que viria a tomar. A bela guarnição de pérolas, a queda da cauda, a faixa atada à cinta. Ia ser magnífico.

 

Era o momento que Pieta mais adorava. Quando o vestido e o futuro da noiva encerravam um manancial de promessas. Por vezes, mais tarde, havia desilusões, talvez mesmo desgostos. Mas este momento, em que o vestido não era mais do que uma forma rudimentar e toda a sua beleza ainda estava aprisionada na imaginação de Pieta, era o melhor de todos.

 

Normalmente, Pieta conhecia o vestido antes de conhecer a noiva. A visão do que criaria com os seus rolos de renda, tule e seda surgia-lhe na cabeça ainda antes de terminar a primeira reunião. Mais tarde, durante as intermináveis provas, vergaria a noiva à sua vontade, tão suave e persuasivamente que elas pareciam sempre pensar que a ideia era sua. Esqueça a flor de tecido na anca; não, nada de bainhas elaboradas. Isso, isso, assim é que fica bem.

 

Na última prova, quando a noiva ia para a Sala dos Espelhos e lhe calçavam sapatos e colocavam um véu sobre o rosto, Pieta sentia-se sempre triste. Estava prestes a libertar o seu vestido para o mundo e sabia-se lá como este – e a mulher que o envergava – se iriam sair, pois havia coisas bem piores do que um rasgão na renda, ou bainhas sujas, e Pieta sabia-o.

 

E este vestido, o que envolvia o manequim no seu quarto, era diferente. Mais importante do que qualquer um dos seus predecessores, era mais difícil separar-se dele. Pieta sentou-se na cama, apoiada contra as almofadas, e contemplou o molde. Esta peça simples seria o vestido de noiva da sua irmã mais nova, e tudo nele tinha de ser perfeito.

 

Continue a ler A Noiva Italiana aqui.

06
Mai09

PASSATEMPO LESLEY PEARSE NA FEIRA DO LIVRO DE LISBOA

Rita Mello

Quem é a protagonista de Nunca me Esqueças, de Lesley Pearse?

Seja uma das dez primeiras pessoas a responder correctamente a esta pergunta e ganhe um exemplar autografado de Nunca me Esqueças, bem como um livro à sua escolha da colecção Romance da ASA.

Podem enviar as respostas para joanneharris@sapo.pt. Os prémios serão entregues no sábado, na Feira do Livro de Lisboa, durante a sessão de autógrafos com a Lesley Pearse.

Boa sorte!

05
Mai09

A NOIVA ITALIANA – NICKY PELLEGRINO

Rita Mello

 

 

Poderá uma história de amor unir duas famílias separadas pelo ódio?


Apesar de viverem em Londres, os Martinelli continuam a ser uma típica família italiana: sempre a discutir, a comer e a amar. Pieta, a filha mais velha, tem 30 anos e é solteira, facto que a coloca sob a mira dos pais, principalmente agora que Addolorata – a sua irmã mais nova – vai casar. Uma vez que desenha vestidos de noiva, Pieta foi encarregada de fazer o vestido mais importante da cerimónia, mas uma série de segredos de família atrai a sua atenção. Porque é que o pai está sempre a discutir com um vizinho italiano? Qual será a causa da tristeza da mãe? E será possível que o homem por quem ela sempre alimentou uma paixão secreta esteja prestes a casar-se com outra pessoa? Decidida a ajudar a irmã, Addolorata planeia dar um empurrãozinho ao destino no dia do seu casamento. Mas o resultado vai ser surpreendente e nada vai acontecer conforme o planeado…


Pela mão de Nicky Pellegrino, autora de Caffè Amore e A Filha do Pescador, A Noiva Italiana é um festim de comida e amor. Mas é também um romance sobre os laços familiares e a identidade pessoal.

05
Mai09

RECEITA DE MELANZANE ALLA PARMIGIANA DE BEPPI (RETIRADA DE "A NOIVA ITALIANA")

Rita Mello

 

É tão simples. Nem sei para que é que precisas da receita! As minhas filhas ajudavam-me a preparar isto quando eram pequenas. Basta fazer o molho napolitano. Que é isso, não sabes fazer? Cose da pazzi! Pronto, eu explico-te. Precisas do seguinte:

2 beringelas

1 cebola

1 frasco de polpa de tomate

2 ovos

Farinha

Sal

Pimenta

Manjericão fresco

Parmesão ralado em abundância

Um pouco de mozzarella ralado

Azeite

Óleo de cozinha

Eis como eu faço. É a melhor maneira, claro. Primeiro, cortas as beringelas às rodelas, não demasiado grossas nem demasiado finas. Tempera-las com sal e deixa-las num coador durante uma hora a escorrer. Em seguida, lavas o sal com água fria e enxuga-las com um pano lavado.

Fazes então o molho napolitano. Picas finamente a cebola, frita-la em azeite e adicionas o frasco de polpa de tomate. Juntas o manjericão, uma pitada de sal e pimenta e apuras o molho em lume brando durante 20 minutos. Agora tens um aroma esplêndido na cozinha, não?

A seguir, bate dois ovos com um pouco de sal e pimenta. Passa as rodelas de beringela por farinha dos dois lados, seguidamente pelo ovo batido, e frita em óleo até ficarem douradas. Ah, e não sejas sovina com o óleo. Mannagia chi te muort, vocês ficam sempre aflitas com o óleo. Deita-o da garrafa como deve ser… não deites só um fiozinho.

Dispõe as beringelas fritas em camadas numa assadeira pouco funda – quatro camadas no máximo – e cobre cada camada com molho napolitano e muito queijo parmesão ralado. Polvilha com mozzarella e leva ao forno, a 150 ºC mais ou menos, durante 20 minutos.

(Sim, sim, já sei que duas beringelas são de mais, mas quem é que resiste a provar umas rodelas quando elas saem da frigideira?)

Nota de Addolorata: Pai, não posso acreditar. Não admira que tenhas o colesterol alto.

05
Mai09

MAIS UM PRÉMIO

Rita Mello

Recebi da Ana, do blogue Livros, o Meu Vício, este belo selo. Obrigada, mais uma vez!

Aqui ficam as regras:
1. Aceitar o prémio, publicá-lo no blogue juntamente com o nome da pessoa que vos premiou e o link do seu blogue.
2. Passar o prémio a outros 15 blogues e contactá-los a fim destes saberem que ganharam o prémio.

As Leituras da Fernanda

Declaro-me... Sonhadora

Estante de Livros

Floresta das Leituras

Folha de Rascunho

Folhas de Papel

Horas Serenas

Leituras da Bauny

Os Livros de Sofia

Leituras da Sofia

Leituras das Marias

Um Livro no Chá das Cinco

Muito para Ler

Planeta Márcia

Sombra dos Livros

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

O Meu Outro Blogue

  •  
  • Editoras

  •  
  • Escritoras

  •  
  • Blogues

    Arquivo

    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2014
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2013
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2012
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2011
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2010
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2009
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2008
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D