Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHOCOLATE PARA A ALMA – LER NÃO ENGORDA

CHOCOLATE PARA A ALMA – LER NÃO ENGORDA

25
Mar09

A VERDADE POR DETRÁS DA FICÇÃO – ROOPA FAROOKI (PARTE II)

Rita Mello

 

A última vez que vi o meu pai foi em Paris, em 2002, num dia gelado de Dezembro, algumas semanas antes de morrer. Era onde o encontrava mais vezes, já que estava proibido de entrar no Reino Unido desde a minha adolescência; o seu cadastro impedia-o de pedir um visto. Por esta altura, ele também já tinha arranjado maneira de ser impedido de entrar nos Estados Unidos; já não via a mulher há meses – ela estava a tomar conta da mãe, que sofria de uma doença terminal, e não podia viajar, mas ele também não se mostrava preocupado com isso. Já ia na casa dos setenta, e o seu estilo de vida caótico repercutira-se na sua diabetes e no seu triplamente atacado coração e já sujeito a um by-pass, mas tinha até agora recusado se submeter-se a tratamentos médicos no Paquistão, onde os seus irmãos mais novos podiam tomar conta dele. Apesar de tudo, ele não podia jogar no Paquistão com a liberdade com que o fazia em França.

 

Eu tinha ido a um dos subúrbios cinzentos de Paris para uma reunião (na altura, trabalhava em publicidade), e sabendo que o meu pai estava em convalescença e a jogar em Deauville depois de mais um ataque cardíaco, consegui marcar um encontro com ele na estação de comboios. Ele disse-me ao telefone que tinha finalmente decidido regressar ao Paquistão para ser tratado, e eu sugeri-lhe que nos encontrássemos e partilhássemos um táxi até ao aeroporto. Ele estava terrivelmente magro e fraco, mas ainda cheio de entusiasmo, enumerando alegremente os nomes de pessoas mais jovens e saudáveis que ele conhecia e a quem ele já sobrevivera. “Toda a gente diz que estou a morrer, mas eu ainda não estou morto!”, exclamava exuberantemente.

 

Sentámo-nos num bar e estivemos a ver fotos do meu casamento que ocorrera naquele Verão, ao qual ele não pôde ir, e falámos da autobiografia que estava a escrever – All Gamblers Great and Small –, que ele afirmava ter com ele num CD. Quando acabei de tomar o meu kir, já ele tinha acabado de tomar o café, e perguntei-lhe se estava pronto para ir para o aeroporto. “Acho que vou amanhã”, disse num tom despreocupado, e eu percebi logo que pretendia adiar o amanhã até os seus fundos acabarem. Pediu algumas centenas de libras para pagar uma despesa médica. (Depois de me ignorar a mim a às minhas irmãs durante anos, agora que tínhamos meios próprios, ele renovou o seu interesse por nós.) “Claro”, disse, mas ao lembrar-me de como uma das minhas irmãs lhe fizera recentemente uma transferência de mil libras, pedi-lhe a conta médica, para poder pagar directamente ao hospital. Ele lançou-me um olhar irritado, como se eu tivesse estragado a brincadeira.

 

É claro que havia despesas médicas para serem pagas, mas ele não as ia pagar, não enquanto o casino local ainda tivesse uma mesa de blackjack. Ele faleceu num hotel em Deauville passadas duas semanas, por isso, eu e a minha irmã mais velha fomos para Paris e acabámos por levá-lo ao aeroporto. A sua pequena mala tinha sido feita com um compacto guarda-roupa constituído por diversos fatos e camisolas cuidadosamente dobrados, primeiras edições dos seus romances e as fotos do casamento, que eu lhe dera quinze dias antes. Não havia sinais da sua autobiografia; a mala tinha um CD, que estava vazio. O funeral teve lugar no Paquistão.

 

Todos os obituários declaram que morreu de forma romântica em Paris, uma última inverdade que o meu pai ficaria contente por saber. “Quem é que quer morrer em casa, rodeado da família e amigos?”, troçava frequentemente. “É tão burguês! Prefiro cair morto nas ruas de Paris.” Os obituários deram várias versões da sua vida carregadas de informações erradas e meias verdades.

 

E curiosamente, o meu instinto, quando interrogado sobre a razão pela qual escrevera um romance sobre uma família que pratica o engano cúmplice, não foi dizer a verdade, mas dizer outra coisa qualquer. Não por a verdade ser desconfortável e embaraçosa, ou por eu ter pensado que era mais confortável esconder a verdade com uma mentira bem-intencionada. O meu principal receio era de que se dissesse que o comportamento do meu pai me tinha levado a explorar esse tema, poderia soar que aprovava a vida que este homem teimoso levou ou que quisesse continuar o seu legado e deixá-lo levar a sua avante. Ele raramente, ou até mesmo nunca, respondeu pelo que fez e não era correcto dar-lhe mais mérito agora. É que, afinal de contas, ele era um jogador compulsivo, um condenado por crimes de colarinho-branco, abandonou mulher e filhos, um homem que prestava tanto quanto a sua palavra e que viveu e morreu alegremente para além das suas posses. Mas quem o conheceu nunca disse outra coisa a não ser que era inteligente e charmoso, e, apesar de todos os seus defeitos, ele certamente nunca foi monótono. Eu sei que estou a dizer isso com uma espécie de sentimento de orgulho. Talvez ele tenha mesmo levado a sua avante.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

O Meu Outro Blogue

  •  
  • Editoras

  •  
  • Escritoras

  •  
  • Blogues

    Arquivo

    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2014
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2013
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2012
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2011
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2010
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2009
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2008
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D