Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009


LONDRES, SETEMBRO DE 1928

 

Jovem adulta responsável, vinte e oito anos, gosta de crianças, conhece a Índia, oferece-se como dama de companhia de Tilbury até Bombaim em troca de meio bilhete.

 

Viva Holloway achou que era magia quando, tendo pago três xelins e seis pence para que o seu anúncio aparecesse na edição mais recente da The Lady, cinco dias depois deu por si no restaurante Derry & Toms, em Londres, à espera da sua primeira cliente, Mrs. Jonti Sowerby de Middle Wallop, em Hampshire.

Para a entrevista, Viva vestira não a habitual mistura de sedas emprestadas e peças de saldos, mas o fato cinzento de tweed que abominava mas que usara durante o trabalho temporário como dactilógrafa. O seu cabelo – espesso e escuro, com tendência para o indisciplinado – fora humedecido e apanhado num pequeno rolo.

Entrou no ambiente senhorial do salão de chá, onde um pianista tocava uma melodia frívola. Uma mulher pequena e delgada como uma ave, usando um extraordinário chapéu azul (uma espécie de gaiola com uma plumagem azul espetada atrás) levantou-se para a cumprimentar. Ao seu lado estava uma jovem roliça e silenciosa que, para considerável espanto de Viva, Mrs. Sowerby apresentou como sendo a sua filha Victoria.

Estavam as duas rodeadas por um mar de embrulhos. Foi sugerida uma chávena de café, mas, infelizmente, nada de bolo. Viva não comia desde o pequeno-almoço e havia um bolo de noz de aspecto delicioso, juntamente com alguns scones, sob a cúpula de vidro no balcão.

– Ela parece muito jovem – queixou-se imediatamente Mrs. Sowerby à filha, como se Viva não estivesse ali.

– Mãezinha – protestou Victoria numa voz estrangulada e, quando a rapariga se virou para olhar para ela, Viva reparou que tinha uns olhos maravilhosos: enormes e de um invulgar azul-escuro quase como o de uma centáurea. Desculpe, não consigo evitar isto, diziam.

– Bem, lamento querida, mas parece. – Mrs. Sowerby franzira os lábios sob o seu sensacional chapéu. — Oh, Céus, isto é um problema!

Numa voz tensa, dirigiu-se finalmente a Viva, explicando que Victoria partiria dentro de pouco tempo para a Índia, onde seria dama de honor da sua melhor amiga, Rose, que ia, e aqui um certo arrastar exibicionista surgiu na voz de Mrs. Sowerby, «casar com o capitão Jack Chandler do Terceiro Regimento de Cavalaria na Catedral de St. Thomas, em Bombaim».

A dama de companhia que tinham contratado, Mrs. Moylett, desistira à última hora – devido a um súbito noivado com um homem mais velho.

Viva pousara a chávena e arvorara o que sentia ser uma expressão responsável; apercebera-se de um certo desespero nos olhos da mulher, de um desejo de ver o assunto resolvido rapidamente.

– Eu conheço Bombaim bastante bem – dissera, o que era verdade até certo ponto: passara pela cidade nos braços da mãe com a idade de dezoito meses, depois novamente com cinco, tendo comido um gelado na praia, e pela última vez com dez anos, para nunca mais voltar. – A Victoria ficará em boas mãos.

A rapariga virou-se para Viva com um olhar esperançoso.

– Pode tratar-me por Tor, se quiser – disse ela. – Todos os meus amigos o fazem.

Quando o empregado apareceu novamente, Mrs. Sowerby exigiu beber uma tisana em vez de um «chá inglês banal».

– Sou meio francesa, sabe – explicou mal-humorada a Viva, como se isso desculpasse tudo.

Enquanto procurava qualquer coisa na sua pequena carteira de crocodilo, a filha calada virou-se para Viva e revirou os olhos. Desta vez os seus lábios esboçaram em silêncio a palavra «desculpe», depois ela sorriu e entrelaçou os dedos.

– Sabe alguma coisa sobre arcas de viagem? – Mrs. Sowerby mostrou os dentes a um pequeno espelho. – Mrs. Moylett também tinha prometido ajudar-nos com isso.

E por milagre Viva sabia: na semana anterior vasculhara as primeiras páginas do Pioneer à procura de possíveis empregos, e um tal Tailor Ram colocara um enorme anúncio sobre arcas.

Olhou calmamente para Mrs. Sowerby.

– A Viceroy é excelente – disse. – Tem uma tela de aço sob as gavetas de lona. Pode comprá-la na Loja do Exército e da Marinha. Não me lembro exactamente do preço, mas penso que ronda os vinte e cinco xelins.

Houve uma pequena agitação no restaurante, e o tinir de talheres foi momentaneamente suspenso. Uma atraente senhora de meia-idade, com um fato de tweed desbotado e um chapéu prático, tinha chegado; sorria ao avançar na direcção delas.

– É Mrs. Wetherby. – Tor levantou-se com um ar radiante e abraçou a mulher mais velha.

– Sente-se. – Bateu na cadeira ao seu lado. – A mãezinha e eu estamos a ter uma conversa emocionante sobre calças de montar e chapéus coloniais.

– É isso mesmo, Victoria – disse Mrs. Sowerby –, certifica-te de que o restaurante todo ouve a nossa conversa. – Virou-se para Viva. – Mrs. Wetherby é a mãe de Rose. A que vai casar na Índia com o capitão Chandler. É uma rapariga excepcionalmente bonita.

– Estou desejosa de que a conheça. – Tor parecia subitamente radiante. – Ela é muito divertida e tão perfeita que toda a gente se apaixona por ela; conheço-a desde pequena, andámos juntas na escola, montámos póneis…

Viva sentiu uma angústia familiar – era maravilhoso ter uma amiga que se conhecia desde criança.

– Victoria – censurou a mãe. A pluma azul suspensa sobre a sobrancelha dava-lhe um ar de pássaro amuado. – Não sei se precisamos de dizer já tudo isso a Miss Holloway. Ainda não decidimos. A propósito, onde está a querida Rose?

– No médico. – Mrs. Wetherby pareceu um pouco envergonhada. – Sabe como é… – Bebeu um gole de café e dirigiu a Mrs. Sowerby um olhar significativo. – Mas tivemos uma manhã emocionante antes de eu a deixar lá – continuou suavemente. – Comprámos vestidos e raquetas de ténis e irei ter de novo com a Rose daqui a uma hora em Beauchamp Place… vão tirar-lhe as medidas para o enxoval. A pobre rapariga vai estar derreada esta noite; acho que nunca comprei tantas roupas num só dia. E quem é esta jovem encantadora?

Viva foi apresentada a Mrs. Wetherby como «uma dama de companhia profissional». Mrs. Wetherby, que tinha um sorriso doce, apertou-lhe a mão e disse que era um prazer conhecê-la.

– Já fiz a entrevista – disse Mrs. Sowerby a Mrs. Wetherby.

– Ela conhece a Índia como a palma da sua mão e já esclareceu a questão da arca… diz que a Viceroy é a melhor.

– As meninas são muito sensatas – afirmou Mrs. Wetherby com ansiedade. – Mas é reconfortante ter alguém que esteja de olho nas coisas.

– Mas temo que só possamos oferecer-lhe cinquenta libras pelas duas raparigas – disse Mrs. Sowerby –, nem mais um tostão.

Viva ouviu literalmente Tor suster a respiração; viu a sua boca contorcer-se num trejeito pueril de apreensão, os grandes olhos postos nela enquanto esperava.

Viva fez uns cálculos rápidos de cabeça. O bilhete de ida de Londres para Bombaim custava cerca de oitenta libras. Ela tinha cento e vinte libras de parte e iria precisar de algum dinheiro quando chegasse.

– Isso parece muito razoável – disse calmamente, como se fizesse aquilo todos os dias.

Tor libertou o ar dos pulmões.

– Graças a Deus! – exclamou. – Oh, que alegria!

Viva apertou a mão a todas e saiu do restaurante com um novo alento no passo. Aquilo ia ser canja: a palerma de olhos azuis com a mãe de aspecto louco estava claramente desesperada por ir; a amiga, Rose, ia casar e não tinha escolha.

A paragem seguinte seria no Hotel do Exército e da Marinha para falar com uma mulher chamada Bannister acerca de outro possível cliente: um rapaz cujos pais viviam em Assam. Ela remexeu na bolsa e encontrou o pedaço de papel. O nome do rapaz era Guy Glover.

E agora estava sentada com Mrs. Bannister, que se revelou uma pessoa irritadiça, de aspecto robusto e dentes salientes. Devia rondar os quarenta, calculou Viva, embora não fosse boa a adivinhar a idade de pessoas mais velhas. Mrs. Bannister mandou vir para ambas uma chávena de chá morno sem biscoitos e sem bolo.

Mrs. Bannister disse que iria rapidamente directa ao assunto, porque tinha de apanhar o comboio das três e meia de regresso a Shrewsbury. O seu irmão, um produtor de chá em Assam, e a mulher, Gwen, estavam «a braços com um dilema». Guy, o seu único filho, fora «convidado» a abandonar a escola de repente. Tinha dezasseis anos.

– Ele tem sido um rapaz bastante difícil, mas disseram-me que lá no fundo é muito amável – garantiu a tia dele a Viva. – Esteve no Colégio de Saint Christopher durante dez anos sem nunca regressar à Índia. Por diversas razões que não tenho tempo de lhe explicar neste momento, não temos podido vê-lo tanto quanto gostaríamos, mas os pais acham que ele irá dar-se melhor na Índia, afinal. Se puder levá-lo, eles estão preparados para lhe pagar o bilhete na totalidade.

Viva sentiu-se ruborizar de júbilo. Se lhe pagassem o bilhete inteiro e se recebesse ainda as cinquenta libras de Mrs. Sowerby, teria, na Índia, um pouco de espaço para respirar, graças a Deus. Naquele momento nem sequer lhe ocorreu perguntar porque é que um rapaz daquela idade não podia viajar sozinho, nem por que motivo os pais dele, os Glover, não tinham vindo buscá-lo pessoalmente.

– Há mais alguma coisa que queira saber sobre mim, referências e assim por diante? – perguntou ela.

– Não – respondeu Mrs. Bannister. – Está bem, sim, talvez nos deva dar uma referência, suponho. Tem alguém em Londres?

– A minha actual patroa é escritora, Mrs. Driver. – Viva escrevinhou rapidamente o endereço para Mrs. Bannister que, a remexer na mala e a tentar chamar a atenção da empregada, parecia prestes a fugir. – Ela mora em frente ao Museu de História Natural.

– Também vou mandar-lhe um mapa da escola do Guy e o seu primeiro pagamento – disse Mrs. Bannister. – E muito obrigada por fazer isto. – Exibiu todos os seus dentes enormes ao mesmo tempo.

Porém, o que mais surpreendeu Viva ao ver a parte de trás da gabardina de Mrs. Bannister agitar-se na pressa de entrar para o táxi, foi a facilidade chocante com que se dizia mentiras às pessoas, especialmente quando era aquilo que queriam ouvir. Ela não tinha vinte e oito anos, tinha apenas vinte e cinco e, quanto a conhecer a Índia, só lá brincara inocentemente em criança, antes do que tinha acontecido. Conhecia a Índia tão bem como conhecia o outro lado da lua.

 

Pode ler os primeiros capítulos de A Leste do Sol, de Julia Gregson, aqui.



publicado por Rita Mello às 14:24 | link do entrada | favorito

De Laelany a 6 de Setembro de 2009 às 15:37
Olá! :D

Tens dois selinhos à tua espera no meu blog ;)

(http://chmeianoite.blogspot.com/)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

subscrever feeds