Terça-feira, 6 de Abril de 2010

 

No vale da aldeia a que um dia chamariam São Miguel da Cana, os homens e as mulheres esperavam, remexiam a terra deNovembro e olhavam para o céu.

Chegavam nuvens, vindas da costa em longas e solitárias caravanas, seguindo o leito seco dos rios.

Por vezes chovia. Pequenas folhas verdes desenrolavam-se dos ramos secos, e uma erva macia atapetava o chão da mata de arbustos espinhosos a que chamavam caatinga, a floresta branca, por ser demasiado pobre para ter cor. Nessas alturas, os homens e as mulheres estudavam o céu, desconfiados. Por vezes, a chuva caía tão perto que conseguiam cheirá-la, mas se não voltava a cair naquele pedaço de terra, as folhas ficavam castanhas e crepitavam ao vento. Aquilo podia matar um campo, diziam: uma única chuvada, e depois o céu vazio. Criava falsas esperanças nas pessoas, criava falsas esperanças na terra. Chamavam-lhe seca verde e amaldiçoavam-na entre dentes. A chuva é como um homem, diziam as mulheres, ilude-nos com doces dádivas, mas se não fica, é pior do que nada.

Quando a chuva não voltava, as primeiras plantas a morrer eram as ervas. Então, a mata tornava-se quebradiça e os cactos ficavam cinzentos. Em Dezembro, na véspera do Dia de Santa Luzia, deixavam no chão seis pedaços de sal, para adivinhar a seca, e de manhã contavam quantos se tinham derretido e quantos restavam.

Finalmente, quando a terra ficava tão quente que qualquer chuva que caísse se limitaria a voltar para o céu sob a forma de vapor, começavam a preparar-se. Chamavam-lhe a retirada, como se instalarem-se nas terras do interior tivesse sido, para começar, uma coisa insensata e anormal. Muitos já tinham passado por outras secas e conheciam até bem de mais os rituais da fuga e do inseguro regresso. Nos campos ressequidos, batiam com as pás na pedra e procuravam na terra pedaços de mandioca. Faziam cálculos, verificando as provisões de carne salgada e o nível de água nos poços.

À medida que os dias passavam, estudavam o céu, pondo as suas esperanças em nuvens distantes que desapareciam como que embruxadas. Apanhavam do chão punhados de terra, acariciavam-nos e esmagavam-nos entre os dedos, faziam rolar o pó quente ao longo dos calos secos dos polegares, provavam-no, falavam com ele. Exortavam, pediam desculpa, suplicavam. Certa vez, um jornalista da costa que estivera com eles escrevera: Os camponeses conhecem a textura da terra melhor do que as suas próprias caras. Quando a história foi lida em voz alta nos campos crestados, um velho riu e disse, Claro! Nasci lá, sou demasiado pobre para ter um espelho, e quando foi que houve água suficiente para um charco?

 

Podem continuar a ler o primeiro capítulo de Uma Terra Distante, de Daniel Mason, aqui.



publicado por Rita Mello às 17:38 | link do entrada | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

subscrever feeds