Segunda-feira, 7 de Junho de 2010

 

 

Nada fazia prever, naquele Verão, o desgosto que em tão curto espaço de tempo iríamos sofrer.

É verdade que a Sheba estivera doente no Outono anterior. «Problemas de rins», foi o diagnóstico do veterinário depois de a examinar. E, quando nos disse, atencioso, que ela agora era um gato de idade, que os rins dela tinham aumentado bastante de tamanho mas que com o tratamento e uma alimentação adequada poderíamos, se tivéssemos sorte, tê-la connosco durante um ano mais, ficámos tolhidos de sofrimento perante a perspectiva de um futuro sem ela.

Durante treze anos, a vida na nossa casa no sudoeste rural de Inglaterra, o West Country, fora dominada por um casal de gatos siameses: a Sheba, a mais esperta, pequenina, uma Blue Point e frágil como uma flor, e o Solomon, o irmão barulhento, um Seal Point, enorme, e o nosso palhacinho trapalhão.

Cada recanto da casa guardava uma memória dos dois a fazer alguma coisa. A Sheba a jogar à apanhada connosco no telhado da carvoeira numa noite de Verão, por exemplo. Encavalitada mesmo na beira do telhado, a berrar desalmadamente que estava Aqui, não podíamos entrar sem ela ou as Raposas podiam Apanhá-La – e quando nos esticávamos para a trazer para o chão passava ligeira para outro canto dizendo Ah ah! Aquela enganou-nos, não foi? Não tinha medo de Raposas…

Ou o Solomon, de dorso escuro e aparentemente tão imóvel como uma cunha de porta, a espreitar impassivelmente pelo portão quando sabia que estávamos de olho nele. O sempre aventureiro Solomon. Nunca no mesmo espaço que nós se o pudesse evitar, e, quando tínhamos de sair e o vigiávamos como seguranças para nos certificarmos de que não fugia (limpar um prato – sair para ver como estava; arrumar uma jarra – sair de novo para ver como estava), encontrávamo-lo sentado ao portão. Muito ostensivamente

Connosco. Sem pensar de todo em sair dali. Por que diabo, inquiria o seu aparelho de visão dorsal, estávamos a vigiá-Lo Tanto? Só estava à espera, bem sabíamos, de desaparecer como um relâmpago siamês logo que desviássemos o olhar.

Algum dia, é certo, seria inevitável perdê-los. A única desfeita que os animais nos fazem é nunca viverem tanto como nós. Mas os gatos vivem mais tempo do que os cães. Tínhamos ouvido falar de siameses com vinte anos ou mais. Além disso, até à doença da Sheba, não só os nossos dois tinham passado pela vida com o entusiasmo de eternos gatinhos, como parecia ter sido há tão pouco o tempo em que eram realmente jovens.

 

Podem continuar a ler os primeiros capítulos de  O Novo Inquilino , de Doreen Tovey, aqui.



publicado por Rita Mello às 12:46 | link do entrada | comentar | favorito

1 comentário:
De Angelina Violante a 7 de Junho de 2010 às 15:17
Pelo que li já que quando adquiri e ler o livro vou chorar emociono-me sempre que se trata de histórias em que os animais falecem.
Pois já passei por isso várias vezes e cada vez parece sempre que é a primeira.


Comentar entrada

arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

subscrever feeds