Sexta-feira, 07.10.11



publicado por Rita Mello às 16:11 | link do entrada | comentar | favorito

Terça-feira, 04.10.11

 

 

Qual a razão que a levou a escrever?

É uma compulsão que me apanhou por volta dos meus cinco anos de idade, quando comecei um diário e em pouco tempo descobri que TINHA de escrever para as coisas me fazerem sentido. Ainda escrevo por essa razão, apesar de não ser uma escolha consciente; algumas pessoas correm, outras meditam, eu escrevo. Eu escrevo movida pelo medo, a ansiedade, o entusiasmo, o amor, e quando quero mesmo desabafar. Chegou a um ponto em que fico verdadeiramente ansiosa se não tiver uma caneta e uma folha por perto.

 

Acredita em anjos?

Não sei se os anjos têm asas com penas e halos, por isso retrato Margot, em Diário do Anjo da Guarda, como tendo cascatas a correr nas costas em vez de asas. Mas acredito na existência de anjos e que são expressões do amor de Deus pela humanidade. Sou fascinada pelo mundo espiritual, por aquele lado da realidade que poucas pessoas conseguem ver.

 

Quanto tempo demorou a escrever Diário do Anjo da Guarda?

Escrevi as primeiras cinquenta páginas num período de cerca de quatro semanas. Enviei-as àquela que é agora a minha agente, que me respondeu por e-mail nessa mesma noite a dizer que queria ver o resto do manuscrito. Passei a noite a transpirar porque: a) Ainda não tinha escrito o resto; b) Tinha A agente que verdadeiramente queria, entre todos os interessados na minha obra; e c) não fazia ideia de como ia escrever o resto, já que o semestre estava quase a começar e seria virtualmente impossível escrever estando a trabalhar a tempo inteiro. Por isso, enviei-lhe um e-mail e perguntei-lhe: “Pode dar-me duas semanas?”, sendo que ela respondeu que sim. Assim, cancelei todas as reuniões, compromissos, eventos sociais e actividades domésticas que poderia ter, e escrevi o resto do livro. Onze dias depois, tinha-o acabado, e no dia seguinte assinei com a minha agente. Um mês depois o livro já tinha sido vendido para dez países.

 

A premissa de Diário do Anjo da Guarda é bastante original: uma mulher que se torna no seu próprio anjo da guarda depois da sua morte. Como lhe surgiu esta ideia?

Quando olho para o que escrevi durante estes anos, mesmo quando era criança, encontro sombras do livro. Sou fascinada pela maternidade, por anjos, pelo arrependimento, e acho que estes três temas se fundiram no meu subconsciente para produzir este livro. Nesse aspecto, diria que a experiência da maternidade dominou o meu processo de pensamento – esse feroz amor e sentimento de protecção que nos arrebata quando temos um filho parecem-me ser a essência dos anjos.

 

Que conselho daria a alguém que quisesse ser escritor?

Primeiro e acima de tudo, escrevam, e não apenas actualizações no Facebook, no Twitter ou em blogues. Pensem no que estão a escrever. Tomem apontamentos. Recomendaria um bom manual de escrita com exercícios inspiradores para ajudar a escrever quando não nos apetece. Recomendaria também ter uma caneta e uma folha constantemente por perto; hoje em dia até uso o bloco de notas no meu telemóvel quando tenho uma ideia repentina. Também encorajaria o pretendente a escritor a tentar todas as formas de escrita: poesia, prosa, drama radiofónico. Vejam o que melhor se adequa a vocês, e pode ser que encontrem mais do que um tipo, o que é muito bom. Leiam fora da vossa zona de conforto. Vão a festivais literários e a todos os eventos que possam. E, acima de tudo, não rejeitem as vossas próprias ideias. Trabalhem-nas até que brilhem de genialidade. Nunca desistam!

 

Qual é sua rotina de escrita? Escreve todos os dias, tem um espaço próprio para escrever, tem certos rituais?

Escrevo quando e onde posso. Os meus filhos ainda são muito novos – tenho três com menos de quatro anos – e trabalho a tempo inteiro, por isso não me posso dar ao luxo de ter uma hora ou lugar específicos para escrever. Também me apercebi há muito tempo que precisava de ser bastante flexível na minha escrita para poder escrever quando estivesse no lava-louça, ou na minha cabeça, se não tivesse um papel e uma caneta. Acho que esta capacidade me poupa bastante tempo, o que no meu caso é importante já que não tenho muito tempo livre!

 

Qual o seu livro preferido de todos os tempos?

É atirar uma moeda ao ar e escolher entre a Odisseia, de Homero, e a Eneida, de Virgílio. Tive de estudar ambos os livros para o meu exame de Latim no secundário, quando tinha quinze anos, e depois na universidade, e nunca me cansei deles. São multifacetados, sempre relevantes e absolutamente intemporais.

 

Já alguma vez achou a escrita difícil?

Claro que sim! Há dias em que tenho dificuldade em me abstrair das distracções – muitas vezes por bons motivos – e é preciso sempre ter disciplina para nos sentarmos e regressarmos à história ou ao poema. Li recentemente que Jonathan Franzen sente que quando escreve um novo livro é como nunca tivesse escrito um romance, e sei perfeitamente o que sente. É como ter um filho – achamos que já aprendemos alguma coisa do último que tivemos, mas cada criança requer um novo conjunto de ferramentas e conhecimentos parentais. Para além da distracção, acho que a maior barreira à escrita é o desencorajamento. É ainda maior do que a rejeição – sentir que o que quer que escrevemos é um monte de disparates é verdadeiramente demolidor. Mas o truque é continuar a tentar até encontrarmos um pequena petita de ouro entre o lixo. E todos os dias são diferentes – há dias em que só conseguimos escrever lixo (lembro-me sempre de James Joyce se lamentar aos amigos de que só conseguia escrever sete palavras por dia; isso mesmo, sete) e outros em que tudo se transforma em ouro. É preciso ser bastante persistente.

 

O que está actualmente a escrever?

Estou agora a rever o meu segundo romance e a trabalhar no meu terceiro. Estou também a trabalhar numa segunda colectânea de poesia, por entre várias comissões e colaborações.



publicado por Rita Mello às 14:28 | link do entrada | comentar | favorito

Quinta-feira, 29.09.11

 

 

O amor é mais forte do que a morte.

 

Ela pensou que a sua vida tinha acabado, mas estava apenas a começar…

 

Esta é a história de uma mulher a quem é dada a oportunidade de voltar a nascer.

Para fazer o que antes não teve coragem de fazer.

Para dizer o que ficou por dizer.

Para realizar os seus sonhos e cumprir o seu destino.

 

Margot Delacroix é encontrada assassinada num quarto do hotel Ritz.

Inesperadamente, o universo dá-lhe uma segunda oportunidade. De regresso à Terra, ela passa a ser o anjo da guarda… de si própria. Vê-se nascer, observa e revive alegrias e momentos de ternura, mas também os seus maiores erros e arrependimentos. Agora, que pode mudar tudo, será ela capaz de contrariar os seus sentimentos?

 

Uma história de amor e espiritualidade, Diário do Anjo da Guarda é um romance intemporal. A prova de que, até nos momentos em que nos sentimos sós, na verdade, não estamos sozinhos.



publicado por Rita Mello às 10:27 | link do entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

 

 

“Fabuloso…”

The Sun

 

“Um dos grandes livros de 2011.”

Living North

 

“Debruçando-se sobre o significado do destino, a existência do livre-arbítrio e as consequências de cada decisão, Diário do Anjo da Guarda é uma fábula moderna destinada a recordar-nos que não estamos sozinhos.”

Booklist

 

“Poderoso, singular e visual. O livro mistura romance, thriller, fantasia e terror ao mesmo tempo que se debruça sobre temas como abuso, dependência e maternidade.”

The Sydney Morning Herald

 

“Envolvente… A interacção entre a existência terrena e angelical agarra o leitor ao longo do livro.”

Publishers Weekly

 

“Poderoso e veloz… Diário do Anjo da Guarda é muito mais do que uma leitura de praia e merece ser lido; quem já perdeu alguém vai encontrar conforto nas suas páginas.”

The Irish Independent

 

“Um romance maravilhoso e cativante. A escrita de Carolyn Jess-Cooke invoca dramaticamente imagens de anjos da guarda, enquanto que o tema retratado fornece ao leitor bastante matéria para reflexão.”

Ulster Tatler

 

“Um mais originais livros sobre anjos.”

Fringe



publicado por Rita Mello às 10:27 | link do entrada | comentar | favorito

 

 

Carolyn Jess-Cooke nasceu em 1978, em Belfast, na Irlanda do Norte, e é uma escritora galardoada, autora de romances, poemas e diversos livros de não-ficção sobre Shakespeare e cinema. Inroads, a sua primeira colectânea de poemas, venceu o Tyrone Guthrie Prize, o Eric Gregory Award da Society of Authors e o Northern Promise Award da New Writing North. Diário do Anjo da Guarda é o seu primeiro romance e está publicado em vinte e três países.

 

Para mais informações sobre a autora pode consultar o site www.carolynjesscooke.co.uk



publicado por Rita Mello às 10:27 | link do entrada | comentar | favorito

Quarta-feira, 31.08.11

 

 

 



publicado por Rita Mello às 15:04 | link do entrada | comentar | ver comentários (6) | favorito

arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

subscrever feeds