Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHOCOLATE PARA A ALMA – LER NÃO ENGORDA

CHOCOLATE PARA A ALMA – LER NÃO ENGORDA

18
Ago09

PASSATEMPO HEROÍNA DO DESERTO

Rita Mello

 

Leia o primeiro capítulo de Heroína do Deserto e responda a esta questão: Em que país realizou Donya al-Nahi a sua primeira missão de resgate?

 

Envie a sua resposta para joanneharris@sapo.pt – e se estiver correcta e for a 1.ª, a 10.ª, a 25.ª, a 50.ª ou a 75.ª a chegar, ganha automaticamente um exemplar de Heroína do Deserto, de Donya al-Nahi, que a ASA tem para oferecer.   A data limite é domingo, dia 23 de Agosto.

Pode ler o primeiro capítulo do livro aqui.

17
Ago09

HEROÍNA DO DESERTO

Rita Mello

 

A vida de Donya al-Nahi, uma inglesa loira e de olhos verdes que se converteu ao islamismo, mudou no dia em que conheceu uma mulher britânica, casada com um muçulmano, cuja filha de seis anos tinha sido raptada e levada para a Líbia pelo próprio pai. Comovida pelo desespero da jovem mãe, Donya respondeu corajosamente: “Vamos lá buscá-la.” Pouco depois, arriscou a vida para resgatar a criança enquanto ela ia para a escola, em Trípoli. A intensidade da experiência foi tal que Donya decidiu ajudar outras mulheres igualmente sós e impotentes perante a maior das crueldades. “Ninguém tem o direito de separar uma criança da mãe”, afirma. Dezenas de crianças foram salvas graças à audácia e ao altruísmo de Donya. Este é um testemunho tremendamente honesto e emocionante de uma mulher heróica que teve de suportar os maiores riscos e até a prisão em alguns dos locais mais perigosos do mundo.

Para muitas famílias, Donya al-Nahi é a Heroína do Deserto.

17
Ago09

DONYA AL-NAHI

Rita Mello

Donya al-Nahi nasceu na Escócia e converteu-se ao islamismo quando tinha dezassete anos. Dirigiu missões de resgate em países como a Jordânia, a Líbia, o Irão, o Iraque e o Dubai. A sua coragem tornou-a numa figura pública no Reino Unido, onde ficou conhecida como Jane Bond, e inspirou o Channel 4 britânico, que a seguiu até ao Irão e à Bósnia e produziu um documentário intitulado Snatched. Tem quatro filhos e vive actualmente em Londres.

17
Ago09

COMECE A LER HEROÍNA DO DESERTO

Rita Mello

 

 

Há quem me chame santa dos tempos modernos, mas o leitor verificará, quando chegar ao fim deste livro, que estou muito longe disso. Não me orgulho de tudo o que fiz na vida e cometi erros enormes, que não tenho dúvidas em reconhecer. Toda a gente comete erros e não há aí motivo de vergonha, sobretudo quando se é jovem. Mas a partir do momento em que surgem os filhos, há que crescer, porque então passa a ser obrigatório pô-los à frente de tudo, aconteça o que acontecer. Uma coisa que esquecemos com demasiada frequência. Agarramo-nos aos hábitos egoístas, insensatos e descuidados da juventude, e são eles que sofrem as consequências das nossas acções.

Vivo num mundo culturalmente misto, o que torna os potenciais perigos ainda maiores para as crianças, e acredito que as pessoas como eu têm uma responsabilidade extra no que respeita a cuidar daqueles que criamos: certificarmo-nos de que não sofrem os efeitos do choque de culturas ou da instabilidade das raízes familiares.

No fim, as crianças são o que mais importa, e eu estou firmemente convencida de que aquilo de que precisam, acima de tudo, para um desenvolvimento saudável é estar com as mães quando são pequenas e durante os seus anos mais formativos. Esta é uma história sobre crianças que foram arrancadas às mães, muitas vezes das maneiras mais cruéis que se possa imaginar. As suas vidas foram pervertidas, precisamente nos anos em que deviam sentir-se mais estáveis e seguras, a sua fé nos pais minada à medida que se tornam peões nas batalhas dos adultos. Ajudar algumas destas crianças a voltarem para junto das mães e passar com elas os anos da infância tem sido, para mim, uma grande honra. E também uma aventura empolgante porque, muitas vezes, significa infringir leis internacionais e fazer frente a pais dispostos a lutar com unhas e dentes para manter as mães longe dos filhos.

Espero que, ao chegar ao fim da história, o leitor acredite, como eu, que todos podemos fazer algo de positivo para ajudar a tornar uma criança mais feliz e mais segura.

 

Continue a ler Heroína do Deserto, de Donya al-Nahi, aqui.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

O Meu Outro Blogue

  •  
  • Editoras

  •  
  • Escritoras

  •  
  • Blogues

    Arquivo

    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2014
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2013
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2012
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2011
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2010
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2009
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2008
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D