Sexta-feira, 24.09.10

 

Para lerem a entrevista de José Riço Direitinho a Esther Freud, a propósito de A Casa do Mar, publicada no suplemento Ípsilon, do Público, basta clicarem nas imagens.



publicado por Rita Mello às 17:30 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 10.08.10

 

Para além de A Casa do Mar , que romances de Esther Freud foram já publicados na ASA?

Resposta: Um Verão em Siena

Vencedores:

01 – Cláudia Alexandra Varela Cruz

25 – Marco Santos

50 – Maria Narcisa Padre Santo Rocha Teles

75 – Clara Simões

100 –Francisca Patita

 

Parabéns aos vencedores e obrigada a todos os participantes!

E boas férias!




publicado por Rita Mello às 19:54 | link do entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quinta-feira, 13.08.09

Ao sexto romance Esther Freud continua (como fez nos anteriores) a explorar os mistérios da adolescência e sobretudo das relações com um pai muitas vezes ausente (ou demitido) e com uma mãe adepta das modas "new age", carregando as histórias de inúmeras referências autobiográficas. Mas o que mais fascina nos livros de Freud, são as descrições sensuais dos vários ambientes, sejam eles em Siena ou em Londres, e ainda a sua capacidade de oferecer diferentes níveis de leitura a histórias que numa primeira abordagem parecem simples. Este romance é um bom exemplo.

 

Leia a crítica completa de José Riço Direitinho a Um Verão em Siena, de Esther Freud, publicada no suplemento Ípsilon, do Público, aqui.



publicado por Rita Mello às 14:43 | link do entrada | comentar | favorito

Sexta-feira, 24.07.09

 

O Chocolate para a Alma vai de férias nas próximas duas semanas. Não vai ser propriamente Um Verão em Siena, mas quase... Vai ser mais um Verão em Biarritz, Cannes, Florença e Amalfi. Quem sabe não encontro por lá a Nicky Pellegrino, a Esther Freud ou a Elizabeth Edmondson a pesquisarem para os seus próximos romances?



publicado por Rita Mello às 14:15 | link do entrada | comentar | ver comentários (5) | favorito

Sexta-feira, 05.06.09


publicado por Rita Mello às 10:56 | link do entrada | comentar | favorito

Quinta-feira, 04.06.09

Isabel:

Ter os pés molhados numa poça de mar salgado e nos olhos já a doce saudade de lá voltar.


Cristina Costa:

Para a receita de umas férias de sonho misturar os seguintes ingredientes: namorado, amigos, praia e serra q.b. e temperar com jantaradas e uma boa dose de diversão; levar a cozinhar em ambiente calmo, com muito sol e sem poluição durante cerca de 15 dias. Bom apetite!

 

Marta Santos:

Praia paradisíaca + cultura diferente + sossego matinal + êxtase nocturno + comidas apetitosas + locais fantásticos para visitar + boa companhia = férias de sonho!

 

Nuno Gonçalves:

Férias de sonho são passadas em ti, o teu corpo como areia da praia, o teu sorriso aquece o dia só por si, as tuas palavras são o murmúrio do mar, contigo o sonho é em qualquer lugar!


Ricardo Raimundo:

Sonho com um paraíso longínquo onde a linha do horizonte se cruza com o céu, onde o sol, cavalheiro, se retira para deixar que a lua brilhe e onde a areia macia debaixo dos meus pés me mostre que só as pequenas coisas têm verdadeiro significado, e é neste pequeno, meu paraíso, que encontrarei o descanso que preciso.



publicado por Rita Mello às 15:51 | link do entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Terça-feira, 02.06.09

Um Verão em Siena, o mais recente romance de Esther Freud, é um regresso ao romance sobre a entrada na idade adulta, com mais uma jovem protagonista a descobrir as verdades desagradáveis sobre o mundo. Seguimos Lara, uma rapariga de dezassete anos convidada a acompanhar o pai, que mal conhece, numas férias na Toscana. Eles ficam com Caroline, uma velha amiga do pai, e Lara é de imediato apresentada aos vizinhos, o rico e incestuoso clã Willoughby, cujos membros passam o dia na piscina, a bronzearem-se e a distraírem-se com sexo e alianças em constante mutação. Esther Freud invoca na perfeição o calor indolente, as piscinas refrescantes e os longos e de fazer água na boca almoços de alcachofras, prosciutto e mozzarella. É um mundo sedutor e artificial, e o leitor consegue facilmente partilhar a mistura de atracção, inveja e repulsa que Lara sente.



publicado por Rita Mello às 15:28 | link do entrada | comentar | favorito

Segunda-feira, 01.06.09

A bela Tuscânia é o palco de uma novela sobre o fim da inocência de uma jovem

Esther Freud é uma mestre das duplicidades. Esqueçamos, por momentos, que é bisneta de Sigmund Freud e filha do pintor Lucien Freud. Mas basta olharmos para o título: Love Falls no original (o português é um inexpressivo Um Verão em Siena, Tem tudo a ver com uma queda de água na Tuscânia que os personagens visitam, para um picnic: La Cascata Dell’Amore. É o amor, ou o pretenso amor, que está sempre presente aqui, como pano de fundo: estamos em 1981 e este é o Verão de Londres. Afinal Carlos e Diana vão casar. Um idílio feito no céu. Mas Lara Riley, uma jovem de 17 anos, segue com o seu pai, num comboio, para a Tuscânia. Aí percebemos que o seu pai, o historiador Lambert Gold, que ela conhece muito mal, é um emigrante que mudou o seu nome de Wolfgang para Lambert. Wolf (lobo) e Lamb (cordeiro): sinais de uma mudança de aparência? É nestes pequenos pormenores que se nota a qualidade da escrita de Esther Freud e o delicioso mundo deste livro.



publicado por Rita Mello às 16:39 | link do entrada | comentar | favorito

Quinta-feira, 28.05.09

Descreva numa só frase as suas férias de sonho e habilite-se a ganhar um dos cinco exemplares de Um Verão em Siena, de Esther Freud, que a ASA tem para lhe oferecer.

A frase terá de ser enviada até terça-feira, dia 2 de Junho, para joanneharris@sapo.pt



publicado por Rita Mello às 16:41 | link do entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Segunda-feira, 25.05.09

Não sei se alguma vez te falei na minha amiga Caroline – disse Lambert, quando um prato branco e espesso de kedgeree chegou à mesa e foi pousado sobre a toalha de linho imaculada, à frente de Lara –, mas recebi uma carta, esta manhã, e… – fez uma pausa para agradecer as costoletas que acabavam de chegar – …parece que ela não está nada bem.

– Oh, quero dizer, não, não me parece que alguma vez me tenha falado nela. Lara baixou os olhos para os filetes de peixe, o dourado da gema do ovo, a salsa agarrada ao arroz. Tinha vontade de começar a comer, mas pareceu-lhe indelicado. – Ela é… muito velha? – perguntou com vivacidade.

– Bem… – O pai pegou numa faca afiada e deu um golpe na carne. Não é especialmente velha. Terá mais alguns anos do que eu. Deve andar na casa dos sessenta, talvez. – Suspirou. – Ainda é consideravelmente nova.

Lara acenou com a cabeça enquanto levava à boca a primeira garfada, os suaves grãos aromatizados com canela e cravinho, as minúsculas sementes de alcaravia estalando entre os dentes, e perguntou-se se alguma vez iria ser capaz de considerar nova uma pessoa com sessenta anos.

– Fez-me pensar – continuou o pai, enquanto o empregado de mesa servia chá. – Se não deveria ir visitá-la. Ela alugou uma casa em Itália, para o Verão. Todos os anos faz isso porque o falecido marido era italiano, e todos os anos me convida, mas desta vez… desta vez acho que vou mesmo.

Baixou os olhos, então, de sobrolho franzido, dando a Lara a hipótese de observá-lo, de ver em que medida esta declaração estava a afectá-lo. Era um homem que sempre fizera questão de nunca sair de Londres, e, tanto quanto ela sabia, ainda Lara não era nascida quando ele o fizera pela última vez. Certa vez, perguntara-lhe por que razão nunca viajava. O pai encolhera os ombros e respondera: para quê viajar quando se vive no melhor lugar do mundo?

Por uns instantes, ficaram a comer em silêncio, até que o pai, ainda a mastigar, olhou para Lara.

– Já lá estiveste?

– Onde?

– Em Itália.

Lara abanou a cabeça. Tinha ido com a mãe até à Índia, de autocarro. Tinham atravessado a Bélgica, a Alemanha, a Grécia, a Turquia, depois o Irão (se bem que lhe tenham chamado Pérsia para fazer com que os dias passassem mais depressa), o Afeganistão e o desfiladeiro de Khyber. Também tinha estado na Escócia, onde vivera durante sete anos – por isso talvez não contasse –, mas a Itália nunca tinha ido.

O pai continuava a olhar para ela.

– Pensei que talvez gostasses de vir comigo.

– Consigo?

O pai acenou com a cabeça.

– A sério? Quero dizer, sim, gostaria de ir.

Sorriram um para o outro, selando o pacto. E, então, ondas de ansiedade, de receio, de uma excitação delirante percorreram o corpo de Lara com uma tal intensidade que todo o apetite desapareceu e terminar o pequeno-almoço pareceu-lhe subitamente uma tarefa tão árdua como se lhe tivessem pedido que arasse um campo.

 

Continue a ler Um Verão em Siena, de Esther Freud, aqui.

 



publicado por Rita Mello às 15:51 | link do entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 22.05.09

 

Sob o sol escaldante da Toscana, tudo pode acontecer...

 

Estamos em Julho, três meses depois do décimo sétimo aniversário de Lara e uma semana antes do casamento real entre Carlos e Diana. A convite do pai, Lara decide passar o Verão longe da poluição de Londres e sob o sol da Toscana. É aí que conhece a família Willoughby, cuja piscina é palco das mais indolentes e voluptuosas tardes. Ricos, sensuais e manipuladores, rapidamente a envolvem nas suas alianças familiares e conspirações. À medida que Lara se rende aos encantos do belo e despreocupado Kip Willoughby, mais intensa é a sua curiosidade, mas também as suas dúvidas e o seu medo. E assim começa a mais inquietante e arrebatadora jornada da sua vida…

Um romance inesquecível sobre famílias, segredos e amores; uma evocação perfeita do calor indolente, das piscinas refrescantes e dos longos almoços de mozzarella, prosciutto e vino bianco apenas possíveis em Itália. Um mundo simultaneamente sedutor e perturbante, em que facilmente se partilha a mistura de atracção, inveja e temor que Lara sente.



publicado por Rita Mello às 16:38 | link do entrada | comentar | favorito

Esther Freud nasceu em Londres em 1963. Oriunda de uma família bastante conhecida – filha do pintor Lucien Freud e bisneta de Sigmund Freud –, foi actriz antes de se dedicar à literatura. Hideous Kinky, o seu primeiro romance, foi finalista do John Llewellyn Rhys Prize 1992 e adaptado ao cinema num filme protagonizado por Kate Winslet. Em 1993, integrou a lista dos Melhores Jovens Romancistas Britânicos da prestigiada revista Granta. Para além de A Casa do Mar, na ASA está também publicado o seu romance Um Verão em Siena.



publicado por Rita Mello às 16:33 | link do entrada | comentar | favorito

Quinta-feira, 30.04.09

 

 



publicado por Rita Mello às 10:55 | link do entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

arquivos

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

tags

a arte de amar

a casa do lago

a crítica

a herança

a leste do sol

a melodia do amor

a menina na falésia

a noiva italiana

agatha christie

agnès desarthe

agridoce

alice hoffman

alona kimhi

annie murray

anthony capella

as meninas dos chocolates

as raparigas da villa

as regras da sedução

as vidas privadas de pippa lee

autobigrafia

barbara e stephanie keating

barbara taylor bradford

bernardine kennedy

bernhard schlink

biografia

casamento de conveniência

chimamanda ngozi adichie

chris cleave

cinema

coleção crime à hora do chá

concurso

confissões ao luar

corações sagrados

crítica

crónica de paixões & caprichos

daniel mason

divorciada aos 10 anos

doces aromas

documentos

domenica de rosa

elizabeth edmondson

entrevista

esther freud

excerto

filme

jaycee dugard

jean sasson

joanne harris

jogos de sedução

julia gregson

julia quinn

kate jacobs

katherine webb

kunal basu

lesley pearse

lições de desejo

lili la tigresse

lucinda riley

madeline hunter

mary balogh

mil noites de paixão

natasha solomons

nicholas sparks

nicky pellegrino

nojoud ali

nunca digas adeus

nunca me esqueças

o clube de tricô de sexta à noite

o português inquieto

o segredo de sophia

os ingredientes do amor

os pecados de lord easterbrook

paullina simons

pequena abelha

prémios

procuro-te

quem quer ser bilionário

rani manicka

razões do coração

rebecca miller

roopa farooki

sam bourne

sarah dunant

segue o coração – não olhes para trás

seis suspeitos

sinopse

susanna kearsley

teu para sempre

top

trailer

trilogia langani

um verão em siena

uma carta inesperada

uma casa de família

uma noite de amor

uma vida ao teu lado

vida roubada

vídeo

vikas swarup

w bruce cameron

todas as tags

subscrever feeds